sábado, 13 de outubro de 2012

Kristen fala sobre ‘OTR’ e ‘Twilight’ em entrevista ao Movie.ie


Como está sua carreira pós-Twilight?
KS: A única vez que eu já tive de responder a essa questão é em uma entrevista. Eu não olho para qualquer coisa. É uma coisa muito estranha fingir ser outra pessoa e deixar as pessoas ver você fazer isso. Isso realmente tem algo de especial e eu nunca sei o que é isso, até que eu o encontre. Pessoas que colocam filmes em caixas… em gêneros… Quando a vida é realmente triste, é realmente engraçada também e o que é isso? É uma comédia de humor negro? Ou é uma comédia dramática? Ou é um drama que às vezes é engraçado? Eu não tenho nenhuma vontade de… Isso soa tão pretensioso, mas eu não quero estar na indústria do entretenimento, os filmes podem ser muito importantes se você quer que eles sejam, e é a única vez que sinto que vale a pena fazer tais coisas tão ridículas como atuando em um filme.

Como você se preparou para interpretar Marylou em ‘On the Road’?
KS: É estranho, porque ‘On The Road’ foi meu primeiro livro favorito e nos autorizaram, a saber, muito mais do que conta o romance. A versão que saiu em 1957 em comparação com o livro [o livro original que Kerouac escreveu], em comparação com a realidade e a verdade de quem eram essas pessoas… Você só pode fazer ‘On the Road’ uma vez, então eu acho que é muito legal que todas essas três histórias estejam entrelaçadas. Como um personagem, Marylou não poderia estar mais longe de mim. Tudo que ela faz é externo, ela é uma das pessoas mais generosas, absolutamente aberta a encarar as pessoas e na realidade… é difícil de interpretar aquilo que está no papel. No livro, ela é divertida, sexy, progressiva por causa da época e as coisas ousadas que ela estava fazendo, mas você é uma espécie do tipo ‘Meu Deus’, como uma menina mais sensível, você vai fazer ‘Uau, não sei se eu poderia fazer isso, eu não sei se eu poderia manter o ritmo’. Isso é o que eu amo sobre o livro, porque eu quero ser capaz de me manter com essas pessoas. Descobrir quem realmente era a Luanne, ela era um poço sem fundo, ninguém podia despistá-la, ela tinha tudo para dar e ela esperava tanto em troca. Foi realmente muita sorte que tivemos as fitas e o acesso aos biógrafos e, basicamente, para humanizar estes personagens. Não se trata de Marylou, o livro não é sobre ela, ela é um personagem periférico. Ao interpretá-la, foi muito bom ser capaz de entender por que ela fez algumas das coisas que ela fez e não apenas interpretar um personagem sexy e divertido.
Onde você acha que foi a sua vulnerabilidade?
KS: Ao contrário de qualquer outra pessoa em toda a história e ao contrário de qualquer outra pessoa neste momento, ela foi capaz de lidar com todos os seus valores que realmente não coincidiam, mas que fez com tamanha habilidade. Ela poderia compartimentar sua vida com grande habilidade, ela tinha valores muito tradicionais, ela queria as coisas que são tipicamente desejadas por uma jovem dessa idade, e também, muitos, muitos desejos atípicos e realmente com fronteiras ilimitadas. Ela poderia fazer ambas as coisas, e é por isso que no final da história dos meninos é tão triste porque não podiam, não tinham essa capacidade, e talvez sua vulnerabilidade e força meio que pairasse por ali. Ela não é alguém que não pode sentir, tudo sem dúvida a afeta, ela não é alguém que está acima dos ciúmes… Ela é tão aceita e muito, muito ciente de toda a beleza nas pessoas, mesmo que estejam enterrados bem profundamente, e que não precisa de tudo o que ela quer num lugar, ela pode começar de muitos, muitos lugares diferentes. Claro, ela estava totalmente à frente de seu tempo e ela o esculpia totalmente ao seu modo. Ela é absolutamente pioneira para nós mulheres, mas ela não tinha ideia do que estava fazendo. Eu acho que ela seria tão especial e tão única hoje. Eu acho que ela impressionaria muito as pessoas.
Por que você considera isso dela compreender as pessoas como uma vulnerabilidade?
KS: O fato de você entender algo, não significa que não te toque. Ela poderia superar as coisas que machucam, mas ela ainda assim estava machucada, mas ela poderia entender a dor e o amor tão bem e aprender com isso. Ela realmente nunca tomou nada como malicioso, era apenas quem eles eram, eles não podiam ajudar a si mesmos e ela não pode ajudar a si mesma por algum tempo. Ela tinha uma compreensão muito aguda disso e ela estava tão evoluída. Eu sou muito mais sensível e possivelmente mais vulnerável do que ela. Ela é uma garota…
Ouvi dizer que você não precisava participar do ‘Acampamento Beatnik’ que os outros passaram, que você sabia tudo de cor quando você começou no filme…
KS: Eu conhecia o romance de cor, e ele definitivamente abriu as portas para outros escritores. Eu estava em ‘Burroughs’, mas… É estranho e divertido de ler, mas não ficou em mim. Eu conheço muito bem o Tom Sturridge, ele é um bom amigo, e algumas semanas antes de irmos para o acampamento nós fizemos alguns percursos, porque estávamos assustados [risos] e não queríamos chegar e sentir como essas pessoas que estão investindo, e tem estado durante toda sua vida, neste projeto… Nós não queríamos nos sentir como crianças estúpidas entrando e passeando por tudo o que eles amavam. Assim, nós lemos ‘I Celebrate Myself Together’, que é realmente o melhor livro de [Allan] Ginsberg… não é que tenha nada a ver com o personagem, mas é tão triste, é tão bom. No acampamento foi mais sobre aprender as coisas – não se trata de datas,quando as coisas aconteceram, qual nome de quem, ainda que por padrão tínhamos um monte de informações rolando em nossas cabeças agora – foi realmente aprender mais sobre como dançar com Garret [Hedlund], ouvindo a música, a maneira de fumar muitos cigarros em uma varanda… eu odeio fingir qualquer coisa, felizmente, nem todos se odiavam. Felizmente, nos apaixonamos por tudo. Todo mundo diz que você chega tão perto e você forma essa família… sem igual. Eu nunca tive isso em um filme antes, então eu acho que as quatro semanas foram realmente importantes para isso. Além disso, tudo o que você aprendeu precisa ser esquecido, a única forma de fazer a história é aprender cada linha, conhecer de cor e esquecê-lo, e descobrir sua própria maneira de dizer isso. Eu acho que se seguíssemos recitando o livro, qualquer pessoa que realmente amou o livro ficaria decepcionado. Você quer vê-lo saltar, você quer vê-lo respirar, você não quer saber exatamente para onde vai, você não quer estar recebendo um final pela metade, você quer dar um passeio. Eu sinto como que a cada momento que li o livro, eu tive uma experiência diferente, e com o filme você pode optar por caminhos muito diferentes. Não te levará a um lugar, mas permite que você possa descobrir e essa foi a maneira que nos aproximamos nos ensaios e filmagens.
Quantos anos você tinha quando você leu o livro pela primeira vez?
KS: 14. Eu adorei, eu adorei pra caralho. Eu não estava muito para a leitura antes de ler o livro e eu me acabei com ele. A leitura antes pra mim… eu era uma boa aluna, mas não era algo que tenha me prendia ou eu adorava. Eu acho que representa uma fase da vida em que finalmente você é capaz de escolher quem são os membros da sua família e escolher quem são seus amigos, ao invés de estar cercado por quem quer que aconteça de estar rodeado a você. Quando eu li o livro, eu era como ‘Eu preciso encontrar pessoas que me empurrem assim, eu tenho que encontrar pessoas que me façam sentir assim’, e eu acho que foi muito importante para mim quando mais jovem. Certas relações são confortáveis, são boas, mas você se vê preguiçoso e complacente. Eu quero que meus amigos me preguem uma peça. Eu já disse isso sobre um monte de filmes que eu fiz recentemente, mas eu acho que é por causa da minha idade, nessa idade você está cheio com algo que está explodindo, e é difícil apontar o dedo pra isso. Esses personagens têm uma fé nesses sentimentos e esse respeito pelos sentimentos deles, é como ‘espere, eles irão fazer sentido, isso fará sentido em breve’. Assim, muitas pessoas ignoram esses sentimentos, se isso não significar imediatamente algo para eles de uma maneira lógica que eles possam articular. É tão importante não ignorar isso, e acho que eles têm tanto respeito e confiança por si mesmo, e suas ambições não necessariamente precisam de um resultado, é sobre a experiência.
Carolyn Cassady também escreveu um livro chamado ‘Off The Road’; você leu esse também?
KS: Sim, é muito difícil para mim ler esse livro. Eu sou mais sensível do que Luanne… há outro livro que acaba de sair chamado ‘The One And Only’, e é a história não contada de ‘On The Road’ que são as entrevistas transcritas dela, as quais ouvimos. Cada uma das diferentes versões da história… você não pode apenas ler para realmente ter uma ideia do que aconteceu e como estes homens tão completamente entraram uns nas vidas dos outros, e viveram muitas vidas diferentes. Emocionalmente falando, ler todas essas versões diferentes foi tão tão tão tão útil.
Você disse que às vezes as pessoas tentam e dizem pra você ficar fora dos filmes porque não é o suficiente para você o que está nas páginas, o que você viu neste que eles não virão?
KS: Eu li o livro e eu soube que Walter estava dirigindo. Então me sentei de frente a ele e eu soube. Você encontra pessoas na vida que… não é mesmo sobre o que nós conversamos sobre esse dia, é mais sobre o fato de que sabíamos que nós amávamos isso pelas mesmas razões. Eu sabia que ele a respeitava e eu sabia que ele me levaria para conhecê-la mais – porque naquele momento eu não o fiz – e eu estava tão intimidada, eu não sou aquela garota. Não quer dizer que você pode se tornar uma pessoa completamente diferente, o que seria uma reivindicação louca, há certas qualidades que às vezes são enterradas muito profundamente, e eu não pude acreditar que eu era capaz de puxar isso pra fora. Tudo o que eu queria fazer era perder o controle, e eu sou um pouco controladora… [risos] Sou muito, muito consciente de mim mesma e ela é muito autoconsciente, mas ela é completamente sem desprovida de timidez.
Quando você viu, se sentiu como você?
KS: Não, não em tudo, mas quando estou com eles, eu me torno nessa garota. É tão estranho. Isso é o que eu quero dizer, você não está realmente mudando, são apenas alguns aspectos de si mesmo que você não sabia que tinha. É por isso que o meu trabalho é tão genial.
Você assinou contrato para o filme muito tempo antes dele realmente ser feito. Você ficou com medo de perder parte de seu sonho porque você foi ficando mais velha?
KS: Na verdade, eu estava começando a chegar nesse ponto, mas eu precisava crescer. Eu era muito mais jovem do que Luanne aos 16 anos. Eu não teria sido capaz de ser tão ilimitada… eu tive muita sorte que o tempo rolou desta forma. Eu acho que era uma espécie de idade perfeita na minha fase da vida.
Você acha que Jack e Neal poderiam existir agora ou foram um produto do seu tempo?
KS: Não, e eu acho que por isso é sustentado. Nunca teria sido relevante no livro. Sempre haverá pessoas que têm diferentes valores e prioridades na vida, e estão dispostas a seguir essa linha. Eu acho que há Jack e Neals em toda parte.
Você disse que todos vocês criaram vínculos neste filme, mas quão fácil é fingir quando você não se sente próxima das pessoas com quem você está trabalhando?
KS: É doloroso, é apenas decepcionante. Há sempre essa responsabilidade para com o personagem que você está interpretando, que você faria qualquer coisa para manter isso. Não é tão divertido, e você pode ver, se nota. Eu confio, muito fortemente, na relação diretor/ator, e eu gosto disso em mim. Parece que se você não tem um bom relacionamento com um ator confie no diretor, se você não tem um bom relacionamento com um diretor, confie em um ator. Você nunca vai odiar todo mundo. No geral, eu costumo fixar nisso, e é fácil de fazer, especialmente comigo, porque se uma pequena coisa está errada e eu sou como [rosna] ‘Deixeeeem o set!’ [risos], mas isso vai arruinar tudo.
Como foi seu relacionamento com o diretor Walter Salles?
KS: Eu nunca vi alguém com o poder de evocar dedicação total e absoluta em tantas pessoas. É claro que é ‘On The Road’, mas é ele também. Nós todos deitamos no chão e o deixamos passar por cima de nós para chegar ao outro lado da rua. Eu não sei por que, eu acho que é só ele. Apenas há algo sobre ele. Às vezes você conhece pessoas e a dinâmica é apenas ‘Uau, você é meu chefe’. Eu não sei o que é isso necessariamente. É claro que ele sabe mais do que ninguém, ele tem feito mais pesquisas, ele sabe mais do que a maioria dos biógrafos, provavelmente, mas não é apenas isso. Ele está tão obcecado, a tal ponto que, n o final do filme nós estávamos preocupados com ele. Estava magro. Essa é a única razão que você deve fazer as coisas na vida, ele conta histórias porque ele precisa. Ele é incrível.
‘On The Road’ estará nos cinemas irlandeses em 12 de outubro.
via

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário