sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Trancada com meu Ginecologista - Capitulo Bônus – Parte Dois



Capítulo Bônus – Parte Dois


Pov. Edward

Tortura
Era isso que ela fazia comigo.
De propósito ou não.
Era assim que eu me sentia; torturado.
A cada consulta, a cada toque, ela me torturava.
Eu não podia tocá-la, mesmo ansiando mais do que respirar, mesmo eu não precisando mais disso.
“Ele beijava e sugava meus seios, enquanto movia dois dedos dentro de mim.”
“Ele me jogava curvada sobre sua mesa, enquanto investia em meu interior, me fazendo gritar de prazer.”
“Ele me sugava, enquanto eu agarrava seus cabelos, gozando em sua boca.”
Eram os malditos trechos que eu pegava de sua mente. Sentia que a qualquer momento eu iria agarrá-la. Mas sua maldita mãe nunca saia do lado dela.
E mesmo nos poucos momentos em que ela saia, eu podia ouvir sua mente atrás da porta.
“Esse médico, parece devorar Bella com os olhos.”
Era só por isso que eu me controlava. Sem contar que mesmo com ela me torturando lentamente eu podia ver que ela se sentia envergonhada, por ter esses pensamentos.
Mas esse último me pegou de surpresa. A intensidade dos últimos... O desejo que eu via escondido em seus olhos e a surpresa ao rever sua mente e notar que ela sonhava comigo.
Eu sabia o efeito que causava nas mulheres. Era algo normal para nós. Nossa beleza inumana era uma forma de atrair a presa... Mas ela sonhava comigo.
“- Bem, é geralmente à noite, enquanto eu durmo.
- Sim continue. – ele levantou da mesa e foi até sua cadeira, atrás da mesa, e sentou.
- Sim, bem, eu tenho uns sonhos e quando eu acordo...”
Ela realmente sonhava comigo? E lá vinha a tortura.
“- Eu posso mostrar em vez de falar? – seu corpo se aproximando do meu, levando minha mão para dentro de sua saia, para dentro de seu corpo.”
Eu estava ficando louco. Mas assim que levantei os olhos e vi suas lindas bochechas coradas eu sorri ansiando por tornar seus sonhos e meus desejos realidade.
- Bella, querida, não vai se sentar? – perguntou a mãe dela, vendo que estava parada e não se movia. Pensamentos desconexos explodiam em sua mente. E sorri vendo-a evitar meu olhar e correr a se sentar.
Comecei a falar quando o celular de mãe de Bella tocou e ela atendeu, começando a falar com alguém, mas meus olhos continuavam em Bella. Ela estava muito nervosa e seus pensamentos voltavam para o sonho. Sua roupa era a mesma da fantasia e sorri vendo que ela usava uma saia justa e a blusinha decotada que só atiçava mais e mais a minha imaginação.
- Claro, senhor, já estou indo. – a mãe dela falou, desligando o celular e suspirou olhando para mim.  – Desculpe-me por atender o celular, era de meu trabalho...
- Não se preocupe senhora Swan, eu entendo. – disse sorrindo já sabendo que finalmente eu teria um tempo a sós com Bella.
“Não queria deixar Bella sozinha. Mas tenho que ir.” – dei um sorriso inocente à mãe dela, que me olhou e sorriu, voltando sua atenção a Bella.
- Filha, terei que sair, meu chefe precisa que eu vá ver uma coisa no trabalho, mas logo eu volto. Caso já tenha terminado a consulta, me espere do lado de fora, que eu já venho pegá-la. – ela falou rapidamente já correndo para fora da sala deixando eu e Bella sozinho.
Bella parecia um bichinho assustado. Não se moveu desde que à mãe saiu e nem ousava me olhar. Seus pensamentos eram caóticos e confusos. E sorri me levantando e indo até ela.
Sentei na beirada da mesa e segurei seu queixo levantando seu rosto para ela me olhar e meus olhos brilhavam por antecipação. Desejava ardentemente tocá-la. Sentir cada sensação que eu podia pegar pelos seus pensamentos.
- Algum problema, Bella?
- Nã - não. – ela gaguejou e mordiscou seu lábio. Passei o polegar por eles sentindo a maciez. Ela evitava olhar em meus olhos e sorri ansiando tê-la.
- Não precisa ter vergonha. – sussurrei e ela levantou o rosto, finalmente me olhando, e havia confusão em seus lindos olhos chocolates.
- O que?
- Vergonha de mim. – sorri para ela que corou lembrando mais do seu sonho.
- Eu não tenho.
- E dúvidas? – a lembrei e ela arregalou os olhos e as cenas do seu sonho recente explodiram em sua mente.
“- Você parece nervosa?
- Ah, é que eu tenho umas dúvidas.
- Oh, bem, diga, ficarei feliz em esclarecê-las para você. – ele sentou na beirada da mesa, e eu fiquei em pé de frente para ele.


- Bem... Er eu tenho sentido umas coisas. – ele arqueou uma sobrancelha, confuso.
- Que tipo de coisas?”
- Bella, pode me contar qualquer coisa. – ele voltou a falar vendo que eu continuei em silêncio.
- Eu posso mostrar em vez de falar? – falei corando mais e ele assentiu.
Aproximei-me, e recostei na beirada da mesa, ficando entre as pernas dele.
Peguei sua mão, e o vi engolir em seco. Levei sua mão até por dentro de minha saia e o fiz tocar em minha intimidade, que pulsava, estava quente e muito molhada.
- Isabella? – ele me olhou atônito, mas não tirou sua mão.
- Eu acordo assim, depois de sonhar com você. – falei baixo sem parar de olhá-lo, ele soltou um suspiro, e sem que eu esperasse senti seu dedo entrando em mim.”
- Como?
- Dúvidas sobre o seu corpo? Sobre as transformações em mulheres. – ela corou violentamente e seu cheiro doce invadiu minhas narinas me fazendo suspirar. Sua excitação me deixou zonzo e excitado.
Ela riu nervosamente e abaixou os olhos e o sonho explodia em sua mente me deixando louco. Cansei de brincar e me abaixei pressionando meus lábios nos dela. Sua boca doce era perfeita como imaginei que seria e mesmo ela parecendo estática eu não parei, sugando seu lábio inferior ganhando um doce gemido e aproveitando para deslizar a língua para dentro de sua boca.
Ela estava totalmente entregue e a abracei puxando para meu peito, ficando de pé, e suas pequenas mãos se espalmaram em meu peito. Moldei seu corpo ao meu e meu membro roçou em seu centro que irradiava calor. Ela gemeu e me senti ficar maior.
Afastei-me dela sentindo minha respiração pesada, assim como a dela. Caminhei em direção a porta, e sorri ao ouvir seus pensamentos.
“Ele vai me deixar?” – tranquei a porta e ouvi seu suspiro de alívio.
Ainda sorrindo caminhei de volta a minha mesa e mesmo vendo confusão em seus olhos não parei. Sentei em minha cadeira e peguei o telefone discando o número de minha assistente Kate.
“O que está acontecendo?” – Bella parecia tão nervosa que levantei os olhos sorrindo e a encarei enquanto ouvia a voz de Kate ao telefone.
- Dr. Cullen?
- Kate, cancele minhas próximas consultas. Precisarei de mais tempo com a Srta. Swan. E aproveite para ir tomar um café da manhã, já que não tomou. Não precisarei de seus serviços por hora.
- Sim, Dr. Cullen.
Voltei a olhar para Bella que mastigava o lábio, ansiosa, e se perguntava o que eu planejava fazer. Afastei um pouco minha cadeira e a chamei com o dedo.
- Srta. Swan, venha aqui. – ela veio rapidamente e agarrei sua cintura a colocando entre minhas pernas e a encostei na beirada da mesa. – Então, você não tinha algumas dúvidas?  - perguntei sorrindo e passando as mãos por suas coxas nuas e o cheiro de sua excitação ficou mais forte.
- Bem, sim... Eu... – ela gaguejava e sorri subindo mais as mãos, entrando por dentro de sua saia e toquei sua calcinha a sentindo estremecer.
- Já disse, linda, não tenha vergonha.
- É difícil. – falou corada e ri, passando um dedo por cima da calçinha sobre suas dobras. Deus, ela estava tão molhada.
- Bem, talvez você queira me mostrar. – voltei a mencionar seu sonho e ela engoliu em seco, extremamente nervosa, mas para a minha surpresa concordou.
- Acho que posso fazer isso. – sorri e comecei a empurrar sua calcinha para baixo.
- Não precisamos disso não é? – ela assentiu e levantou as pernas me ajudando a se livrar da peça incomoda.
Segurei sua cintura e a sentei na beirada da mesa, afastando suas pernas. Seu cheiro fez meu pau cada vez maior e passei as mãos por suas coxas, provocando-a. Ela gemia, baixinho, e mastigava seu lábio, o que me deixava mais excitado a cada minuto.
- Você gosta disso, Bella? – sussurrei rouco, vendo-a lembrar-se do sonho cada vez mais, ansiando para meus dedos brincarem com suas dobras molhadas.
- Oh, sim. – ela gemeu e sorri.
- Bem, linda, pois eu estava ansioso por tocá-la. – admiti enquanto movia um dedo pelas suas dobras molhadas.
- Mesmo?
- Oh, sim, queria muito sentir se você ficava molhada por mim. – sorri e a penetrei com um dedo a ouvindo ofegar e gemer. – Muito molhada. – sussurrei adicionando mais um dedo, fazendo seu corpo tremer.
- Doutor... – ela chamou e sorri retirando os dedos e me aproximando mais dela, lambendo meus dedos úmidos do seu mel.
- Me chame de Edward. – pedi e sem aviso abaixei o rosto, lambendo seu doce núcleo que estava úmido e quente.
- Edward... – ela gritou surpresa e sorri movendo minha língua por suas dobras, sentindo seu corpo tremer a cada investida da minha língua ávida.
Seu gosto era maravilhoso, excitante e doce. Ela tremia toda com as investidas da minha língua e gemi quando seu orgasmo chegou, bebendo seu mel. Seu corpo caiu para trás fazendo barulho quando vários objetos caíram no chão e sorri afastando o rosto.
- Você sabe o que foi isso, linda? – falei a olhando e lambi os lábios quando ela levantou o rosto para me olhar e corou quando respondeu.
- Um orgasmo. – sorri e passei um dedo em suas dobras e ela tremeu.
- Muito bem. Mas eu sei que a sua curiosidade não acaba ai.
- Oh. – ela corou e sorri ficando de pé e comecei a desabotoar a minha camisa. Ela se apoio no cotovelo para ver-me e sorri malicioso, chamando-a com um dedo. Um pouco trêmula ela se levantou e ficou de pé na minha frente.
- Me ajude com as calças. – pedi e ela se concentrou em desabotoar minhas calças.
Podia ver seu nervosismo, minhas calças caíram no chão e suas pequenas mãos seguraram as beiradas de minha boxer, começando a descer devagar.
Meu membro excitado saltou para fora e vi seus olhos ansiosos me examinarem e isso me fez maior, se possível.
“Isso não vai caber em mim.” – ela pensou e sorri.
- Com certeza vai, linda. – ela me olhou e sorri. – Me toque. – ordenei e ela corou violentamente enquanto envolvia sua pequena mão em meu membro.
Ela apertou meu membro e gemi sentindo seus dedos quentes envolta de mim. Vi-a sorrir e começar a mover sua mão, me masturbando. Segurei os gritos que queria soltar e não aguentei quando ela beijou a cabeçinha.
- Merda. – ofeguei e ela me engoliu.
Praguejei de novo sentindo sua boca quente sugando e lambendo meu membro enquanto sua pequena mão cobria o que não cabia em sua doce boca.
Sentia que ia explodir a qualquer momento e rosnei a puxando para cima, sentando-a em cima da mesa.
- Chega sua provocadora. – falei ofegante e vi minha linda sorrir. Agarrei sua perna a prendendo em minha cintura e fiz o mesmo com a outra começando a me acomodar em seu interior.
- Minha vez de te provocar. – falei sorrindo, brincando com a ponta do meu membro em suas dobras e saindo a deixando ansiosa.
Para minha surpresa ela sorriu e começou a desabotoar a sua própria blusa e quase gemi vendo seus seios cobertos pelo sutiã fino a mostra. E quando ela retirou o sutiã eu rosnei.
- Maldita provocadora. – falei entre dentes e ouvi-a sorrir. Abaixei o rosto com minha rapidez vampiresca levando seu mamilo duro em minha boca.
Ela gemeu surpresa e soltei sua cintura agarrando seus dois montes e os apertando podendo assim brincar com os dois.
- Oh, Edward. – ela gemeu e suas unhas começaram a arranhar minhas costas, meu peito. Ela rebolou e meu membro, deslizando um pouco para dentro de suas dobras e ambos gememos com o contato.
Larguei seus seios e agarrei sua coxa, deslizando de uma vez para dentro de seu calor. Bella gritou quando rompi sua virgindade e me senti culpado. Nunca quis machucá-la. Eu amava essa menina.
- Desculpe, linda. – sussurrei e beijei sua boca com amor. Deslizando minha língua para dentro de sua boca e fazendo-a esquecer a dor com meus beijos.
Bella gemeu contra minha boca e se moveu, fazendo meu membro entrar mais profundamente e gemi ao ouvi-la gemer de prazer.
- Edward. – ela murmurou e sorri soltando seus lábios e deslizando os meus por seu rosto, enquanto investia dentro de fora de seu calor.
- Isso, minha linda. – gemi apertando sua bunda macia enquanto bombeava com força em seu calor apertado.
- Ah... Edward...
- Isso Bella, tão fodidamente quente... E apertada... – gemi indo cada vez mais rápido e forte e senti suas unhas cravarem em meus ombros. Levei minha mão para o meio de nossos corpos e pressionei seu clitóris, ouvindo-a gritar jogando o corpo para trás.
Segurei-a antes que ela caísse enquanto bombeava dentro dela, e já começava a sentir seu núcleo mastigar meu pau.
- Isso me aperta gostoso. – murmurei sentindo que viria a qualquer momento. Nossos corpos tremendo e a cada segundo cada vez mais próximos.
- Oh, Edward. – Bella gritou e colei meu corpo ao dela sentindo seus seios esmagados contra meu peito e beijei sua boca no momento em que ambos explodimos em nosso orgasmo.
Terminamos de nos beijar e sai de dentro dela caindo sobre seu corpo, sem deixá-la sentir meu peso. Sua pele quente me fez sorrir. Era tão prazeroso tê-la em meus braços e eu a queria eternamente. Ficamos abraçados até nossas respirações se acalmarem e eu começar a ouvir as perguntas que invadiam a mente de Bella.
“Por que ele fez tudo isso?”
“Por que agora?”
“Ele nunca se interessou por mim.”
“Será que foi somente uma transa qualquer?”
- Por que achas isso? – perguntei, querendo que ela tirasse essas ideias doidas da cabeça.
- Como assim?
- Por que acha que eu nunca me interessei por você? – perguntei olhando em seus olhos e Bella me encarou confusa.
- Como você...
- Responda a minha pergunta, primeiro. – falei decidido. Depois as explicações, primeiro tinha que mostrar que ela não era uma qualquer.
- Porque você nunca mostrou interesse algum em mim. – ela confessou e aproximei meu corpo do dela, e meu membro, já ereto de novo, encaixou em sua entrada a fazendo gemer baixinho.
- Está sentindo isso? É o que você faz comigo. É como você faz meu corpo ficar em cada consulta com você. – sussurrei em seu ouvido deslizando cada vez mais para dentro de seu calor já pronto de novo para mim.
- Edward. – ela gemeu e entrei mais.
- Oh, Bella. Como você é apertada... Mas eu gosto – murmurei entrando em suas dobras que mastigavam meu pau.
- Edward... Por favor. – ela pediu e entrei totalmente e comecei a bobear dentro e fora dela. Ela abraçou minha cintura com suas pernas me fazendo ir cada vez mais fundo e gemi.
- Geme, Bella... Geme o meu nome... – pedi entre estocadas e ela me presenteou com doces gemidos.
- Edward... Mais Edward... Mais... – gemeu cravando suas unhas em meus braços, e gemi em seu ouvido sentindo seu núcleo ordenhar meu pau com força e a beijei enquanto nosso ápice nos alcançava.
Rolei na mesa, a colocando sobre mim, e sai de dentro dela.
- E agora? Acredita mesmo nisso? – perguntei sorrindo e ela respirando com dificuldade, negando.
Ficamos abraçados e enquanto a respiração de Bella se normalizava e já podia ouvir sua mente refazendo perguntas. Mas dessa vez curiosas sobre como eu sabia o que ela pensava.
- Como você sabia sobre eu pensar isso de você? Afinal, eu não havia lhe dito nada. – sorri e pisquei para Bella.
- Sabe, Bella, se eu dissesse que eu posso ler mentes, você acreditaria? – Bella arregalou os olhos e milhões de imagens eróticas invadiram sua mente. Sorri malicioso, imaginando as posições que podíamos fazer juntos.
Ela deve ter percebido, pois seu rosto se tornou vermelho brilhante e escondeu seu rosto em meu peito. Beijei seu ombro nu e sussurrei contra sua pele.
- Mas esse não é o único segredo que eu tenho.  – Bella levantou o rosto, curiosa.
- O que mais pode ter?
- E seu te dissesse que não sou humano? – ela arqueou uma sobrancelha e sorri tristemente, sentindo sua mão em meu rosto.
- E o que você é?
- O homem que te ama. – falei simplesmente com medo de revelar mais meus segredos e ela me afastar, mas sua resposta afastou todos os meus medos.
- Sim, eu também te amo. E não me importo com o que você seja.
Sorri e a beijei com amor. Eu desconfiava que ela soubesse o que eu era. Mas não me importava, pois a partir de agora ela me pertencia assim como eu pertencia a ela. E sempre que pudesse a trancaria em meu consultório para tê-la só para mim.
Infelizmente, não tivemos mais tempo para conversar, pois sua mãe chegou e tivemos que nos vestir rapidamente. Para não assustar Bella, eu me vesti em uma velocidade que acho ser normal, e ri ao vê-la toda atrapalhada tentando colocar suas roupas.
Despedi-me dela com um beijo rápido e suspirei ao vê-la partir.
Assim que ela saiu me joguei em minha cadeira, não acreditando que Bella finalmente era minha. Senti meu celular vibrar e o atendi já imaginando quem era.
- AAAAAH finalmente, Edward. - eu ri ouvindo os surtos da minha irmã louca.
- Olá para você também, Alice.
- Demorou a agarrar ela.
- Quem agarrou quem? - ouvi a voz de Emmett no fundo e rolei os olhos.
- Alice, não se meta. - ela bufou.
- Você ainda vai implorar para eu me meter.
- O que você sabe, Alice?
- Nada não, Eddy. - rolei os olhos e ela riu.
- Quem agarrou quem? - voltou a perguntar Emmett.
- CALA A BOCA, EMMETT! - gritamos eu e Alice e acabamos por rir.
Desliguei o telefone pensando no que faria agora. Agora que tive Bella, eu não desistiria dela. Ela era minha, e faria de tudo para tê-la, nem que tivesse que pular sua janela.

[...]

Cheguei ao meu consultório, sem cabeça para nada, e mandei Kate cancelar as primeiras consultas da manhã. Precisava arrumar um jeito de ver Bella.
Mas como eu faria? Ligar para sua mãe e dizer que eu preciso fazer uns exames e que ontem, com muita coisa na cabeça, eu havia me esquecido de avisar? Mas e se a mãe dela vier junto? Como farei para expulsar ela da sala?
AAAHHH, vou ficar louco se não a ver... Se eu não a tocar novamente.
Fiquei horas andando de um lado para o outro em minha sala, pensando em uma forma de poder revê-la. Apenas não fiz um buraco no chão, pois senti de longe o cheiro doce de Bella.
“Finalmente chegamos.” Bella pensou.
Ouvi seus passos e os de sua mãe vindo em direção a minha sala, parando logo depois em frente à Kate que se perguntava o que ambas estavam fazendo aqui.
- Olá, Bella, Sra. Swan. Como vai?
- Oi, Kate. Estamos bem, obrigada.
- Que bom. Então, o que fazem aqui hoje? – perguntou Kate educadamente.
- Viemos ver o Dr. Cullen. – respondeu a Senhora Swan.
“Estranho, não me lembro de haver consulta com Bella hoje.”
Ouvi Kate pegar seu caderno e folhear algumas páginas, tentando encontrar o nome de Bella por entre as linhas.
- Hum... Que estranho. Aqui não tem consulta alguma de sua filha com o Dr. Cullen hoje. – disse Kate fechando seu caderno. Pudi ver o temor de Bella em seus pensamentos. Era melhor eu intervir antes que essa chance escapasse de minhas mãos.
- Não tem? Mas Bella disse que...
- Hoje teria uma consulta. – interrompi sua frase ao sair de minha sala com um sorriso nos lábios. Vi que sua mãe se assustou com meu interrompimento. Em sua mente ela se perguntava de onde eu havia saído.
Bella por outro lado, parecia fascinada a me ver. Pelo jeito, minha beleza vampiresca ainda exercia grande efeito sobre ela. 
- Sua filha está certa, Sra. Swan. Realmente eu havia pedido para Bella vir novamente hoje. E ontem eu estava muito ocupado que acabei esquecendo-me de avisar Kate, por isso, o erro foi meu. – continuei a falar, enquanto o rosto de Bella atingia um delicioso tom de vermelho.
Ouvi à senhora Swan falar algo, mas não prestei muito atenção, minha atenção era centralizada em Bella que estava nervosa ao lado da mãe.
Fiz um sinal para que ambas entrassem, implorando mentalmente que a senhora Swan ficasse fora da sala, mas pela sua mente parecia que isso não aconteceria.
A mãe de Bella caminhou em minha direção junto com Bella em suas costas, de cabeça baixa. Ambas entraram rapidamente e ocuparam as cadeiras da sala.
- Mãe, você realmente não precisa ficar. Sabe isso é realmente muito vergonhoso. – disse Bella à mãe, alimentando as minhas esperanças.
- Não há ninguém lá fora, querida. Ninguém vai notar.
“Isso eu sei, mas eu quero ficar com Edward a sós. Será que é pedir muito?
Bem que hoje poderiam ligar para minha mãe, chamando-a de novo. Ou até mesmo papai pedindo o café da manhã.
AAHHH. Porque meu Deus? Justo agora que tudo havia ficado bom? Só posso ter pregado chiclete na cruz ou... OMG! Será que fizeram macumba pra mim?
Só poderia ter sido aquela vaca da Lauren, que tem inveja de eu ter um ginecologista gostoso.
AAH o que eu faço? Eu deveria ter furado o pneu do carro.”
- Então o que queria falar com minha filha, Doutor? – perguntou à senhora Swan a mim, enquanto eu tentava não rir das coisas que Bella pensava.
- Bem, senhora, eu... – comecei a falar, mas fui interrompido por uma anã que invadiu minha sala.
- Ed! Que saudades! – gritou a anã da Alice.
- Alice? O que faz aqui?
 “Até parece que não sabe o que vim fazer não é? Vim te salvar maninho. E sem fazer com que você me implorasse.”
- Oras vim ver meu irmão. Não posso? – perguntou de forma inocente.
- Não sei se você notou, mas eu estou com uma paciente. – respondi sério, sem conseguir ocultar um sorriso de agradecimento.
- Oh, desculpe.
- Não se preocupe, querida. – respondeu à intrometida, quer dizer a mãe de Bella gentilmente.
“Olha, agora a minha interpretação, Ed. Eu sou demais.” Falou Alice em pensamento, congelando no lugar logo em seguida ao ver a mãe de Bella.
- OMG! Você é Renee Swan? Que trabalha com Perrine Bruyère? – gritou Alice animada, assustando as duas.
- Sou muito fã do seu trabalho com ele. Amo as roupas que fazem. Eu tenho varias.
Adoro comprar. Quando sai às próximas? – perguntou animada.
- Alice, aqui não é o lugar para se tratar disso. Eu estou com uma paciente...
- Oh, desculpe-me de novo. Bem, já que não é o lugar, então porque não vamos à cafeteria, ao lado, conversar sobre isso, enquanto meu irmão atende sua filha? – perguntou Alice, puxando à senhora Swan que estava assustada.
- Alice, solte a Sra. Swan e pare de atormentá-la. – pedi sério, tentando ocultar o riso.
- Deixe-a, Dr. Cullen. Sua irmã não está me atormentando. E bem, será um prazer conversar com você, querida. Afinal, minha filha não me quer aqui mesmo. – disse a mãe de Bella sorrindo, enquanto Bella corava de vergonha e Alice gritava em pensamento que é a melhor.
- Oh, que bom. Quer dizer... Que bom que a senhora virá comigo, não que a sua filha não te quer aqui. – disse Alice meio enrolada.
- Bem, então irei com sua irmã a cafeteria ao lado. Tome o tempo que precisar com minha filha.
Pode deixar, senhora Swan, tomarei muito tempo com ela, se quiser nem precisa voltar mais.
Alice sorriu para Renee e correu me abraçar, murmurando em meu ouvido:
“Lembre-se! Quero meu Porche amarelo.”  
Sabia que aí tinha coisa. Sorri para ela agradecendo, enquanto ela puxava Renee para fora.
 Eu precisava agora me livrar de Kate, pois ela poderia acabar ouvindo coisas que não devia.
Arrastei minha cadeia para trás, se levantando da cadeira, chamando a atenção de Bella que até agora estava na porta. Sorri para ela e andei até a porta sem desviar meu olhar do seu.
Fechei meus dedos sobre a chave e a virei, ouvindo o clique da porta se fechando. Ouvi Bella engolir em seco atrás de mim. Voltei minha atenção para ela e andei até a mesa, sentando em minha cadeira logo em seguida.
- Venha aqui. – a chamei ao pegar o telefone, discando rapidamente o número de minha recepcionista.
Bella caminhou rapidamente em minha direção e quando chegou a minha frente a puxei para meu colo, fazendo-a soltar um gritinho.
- Kate. – falei no telefone, enquanto apertava a coxa de Bella, sentindo minha excitação crescer na calça.
- Fale, senhor. Gostaria de cancelar suas consulta como ontem? – perguntou Kate ao telefone.
- Sim, cancele minhas consultas pelo resto do dia. – Bella sorriu para mim, enquanto eu sorria maliciosamente para ela, tendo já pensamentos muito interessantes, movendo minhas mãos para dentro de sua saia.
- Posso então tirar o dia de folga? – perguntou Kate hesitante.
- Sim, pode tirar o resto do dia de folga. – respondi desligando rapidamente o telefone. Bella que olhava para mim mordia o lábio fazendo minha boca salivar por provar novamente seus lábios doces.
- Então, aonde paramos? – perguntei, fazendo-a soltar um risinho e me abraçar pelo pescoço.
- Bem, você ainda precisa me tirar algumas dúvidas.
- Hum... Dúvidas. E quais suas dúvidas? – disse, fazendo-a corar.
- Eu tenho tido sonhos... Er... Estranhos. – eu ri lembrando-me do dia anterior.
Subi minhas mãos por sua perna, chegando até sua calcinha, brincando com as beiradas dela, provocando-a, enquanto meu membro pulsava em minha calça.
- Sim, e você quer me contá-los? – perguntei quase em um sussurro fazendo a gemer quando meu dedo roçou em suas dobras, me fazendo enlouquecer com seu gemido.
- Posso mostrá-los. – falou em um sussurro, fazendo com que meu membro pulsasse mais dentro da calça.
Sorri maliciosamente e comecei a beijar seu pescoço, me deliciando com seu cheiro inebriante. Bella tombou sua cabeça para lado, me dando mais acesso ao seu pescoço. Passei minha língua por sua pele, sentindo seu gosto delicioso.
- Mostre. – pedi com minha boca em sua pele, fazendo a gemer e meu membro apertar minha calça.
- Mas eu acho que você já sabe sobre eles. – falou rouca, se lembrando de seu sonho onde eu estava dentro dela, me fazendo rosnar e meu membro implorar para entrar dentro dela.
- Mas eu sou esquecido. – provoquei, fazendo-a rir e se afastar de mim.
Arqueei uma sobrancelha e ela mordeu o lábio desabotoando o primeiro e o segundo botão de sua blusa.
- Então, vou ter que lembrá-lo. – sorri e a puxei de encontro ao meu peito, beijando com urgência, explorando sua boca, fazendo-a gemer.
Bella espalmou suas mãos em meu peito e desabotoou rapidamente minha blusa, deixando meu peito a mostra, onde ao separar sua boca da minha, lambeu meu mamilo, me fazendo agarrar em seus cabelos e meu membro pulsar fortemente em minha calça.
Seus beijos continuaram por meu peito, descendo por minha barriga. Senti suas mãos agarrarem o zíper de minha calça e ouvi o barulho dele descendendo. Levantei meus quadris ajudando-a tirar minha calça com minha boxer junto, fazendo meu membro pular para fora.
Ouvi Bella suspirar ao ver meu membro já ereto, aguardando ansiosamente o momento de entrar dentro dela. Sorri malicioso com esse pensamento.
Bella levantou seus olhos e ao ver meu sorriso malicioso lambeu seus lábios, fazendo-me excitar mais de expectativa, beijando logo em seguida o pré-gozo de meu pau, me fazendo gemer alto, ao sentir sua boca molhada em torno dele.
- Ah, minha Bella. – suspirei fazendo-a rir, dando uma lambida em meu pau duro, arrancando vários gemidos de mim, levando logo em seguida meu membro para dentro de sua boca pequena e molhada, enquanto suas mãos massageavam a base e minhas bolas, me fazendo rosnar.
Meu membro pulsou em sua boca, o que fez com que ela o sugasse com mais força e um orgasmo forte chegou, liberando todo o gozo em sua boca, onde ela bebeu todo, me fazendo enlouquecer.
Puxei-a para cima e senti seu corpo se arrepiar ao ver meus olhos negros de desejo.
- Ah, minha Bella. – sorri malicioso e a empurrei para minha mesa, retirando sua saia e sua calçinha, movendo meu dedo para sua intimidade que estava totalmente molhada. – Tão apertadinha. – sussurrei, fazendo-a corar e eu rir puxando-a para meu colo.
Agarrei suas pernas colocando-a uma de cada lado de meu quadril, fazendo com que sua entrada ficasse de frente para meu pau já ereto que pulsava de excitação.
Peguei seu quadril e a puxei ao meu encontro, fazendo-a deslizar sobre meu membro se encaixando sobre mim.
- Oh... – suspirou Bella, mas não me movi, querendo prolongar o prazer que eu estava sentindo.
Tirei sua blusa rapidamente e comecei a brincar com seus seios, massageando seus mamilos com meus dedos. Bella começou a se movimentar, mas impedi que ela continuasse, recebendo um resmungo dela.
- Edward. – eu ri e besliquei seu mamilo, fazendo-a gritar.
 - Ainda não, amor. – murmurei, descendo minha boca para seu mamilo, sugando-o e lambendo-o, enquanto meu membro pulsava fortemente dentro de si.
Continuei a brincar com seus seios, fazendo-a gemer em pensamento e meu membro pulsar mais dentro de si. Sentindo seu primeiro orgasmos se aproximar fez com que suas mãos agarrassem fortemente meus cabelos e começou a se mover, mas dessa vez sem eu a impedir.
Meu membro parecia gritar, pedindo para ir mais rápido. Com a boca ainda em seu seio, agarrei sua cintura com uma de minhas mãos e movi meu corpo rapidamente de encontro a sua entrada encharcada, que pedia para que eu metesse mais fundo.
Bella gemia descontroladamente em meu ouvido enquanto outro orgasmo se aproximava, apertando meu pau em sua entrada e o meu orgasmo começar a vir fortemente. 
- Isso Bella, me aperta. – murmurei, mamando seus seios. Seu corpo tremeu em meus braços.
- Oh, Deus... Edward... – meu membro pulsou fortemente dentro dela, enquanto seu corpo tremia conforme ela alcançava o êxtase.
Bella explodiu em seu prazer, sendo seguida logo por mim que já não conseguia me segurar de tanto prazer.
Bella caiu mole sobre meu peito, enquanto eu dava pequenos beijos em seu pescoço e minhas mãos acariciavam suas costas nuas. Ficamos assim alguns minutos até sua respiração voltar ao normal.
Senti-la em meus braços novamente foi à melhor experiência de minha vida, nem mesmo o dia em que provei do mais doce sangue, me senti como hoje. Como agora.
Olhei para Bella e sorri ao vê-la ali em meus braços. 
- Então, doutor, o que acha das minhas dúvidas? – perguntou Bella ao olhar pra mim, fazendo-me rir. Beijei sua boca e respondi:
- Acho que precisamos de mais seções para você poder tirá-las todas. – Bella riu e deitou sua cabeça em meu peito.
- A sua irmã é como você? – perguntou. Fiquei em silêncio tentando entender o que ela queria dizer com isso, temendo pelo pior. Bella me encarou e eu coloquei uma mexa de seu cabelo atrás de sua orelha.
- Igual a mim em que sentindo? – perguntei um pouco hesitante.
- Um vampiro? – respondeu. Olhei para ela sério por alguns minutos, fazendo-a suspirar e eu ler seus pensamentos.
“Ele não vê que não me importa? Eu só quero amá-lo.” Disse Bella em seus pensamentos, fazendo-me sorrir.
- Eu também só quero amá-la. – repondo fazendo-a corar.
“Merda! Esqueci que ele lê meus pensamentos.” Disse Bella fazendo-me rir.
- Você se incomoda?
- Um pouco. Mas se você não lesse talvez nunca tivesse me agarrado. – disse me fazendo rir alto.
- Talvez. Mas duvido que resistisse a você por muito mais tempo. – Bella sorriu e deitou novamente em meu peito.
- Hum, que bom. Mas diga, quero saber tudo sobre você.
- E você saberá. A partir de agora somos um. – Bella sorriu largamente, mas franziu o cenho logo em seguida.
“E meus pais?”
 - Daremos um jeito.
- Qual?
- Bem, eu vi na sua ficha que em breve você faz aniversário.
- Sim.
- Quando você for maior de idade, eu a roubarei para mim.
- Mas ainda tem dois meses. – falou com um biquinho lindo, me fazendo rir.
- Como eu disse, amor. Você vai precisar de muitas seções para tirar todas as suas dúvidas. – Bella riu e moveu seu corpo, suspirando logo em seguida.
- Sim. Mas e minha mãe? – segurei seu quadril, fazendo-a gemer e agarrar meu pescoço, infiltrando suas mãos em meus cabelos.
- Daremos um jeito. – Bella gemeu alto, começando a se mover sobre mim que já estava ereto dentro dela.
- Humrum, muitas seções trancadas com meu ginecologista. – falou Bella me fazendo rir.
Beijei-lhe urgentemente e a puxei mais de encontro ao meu corpo movendo-me mais rápido.
Não tinha idéia do que aconteceria no futuro, afinal o futuro é incerto e pode mudar muitas vezes, mas de uma coisa eu tinha certeza absoluta, Bella seria minha e eu aproveitaria de todas as formas possíveis e impossíveis em tirar suas dúvidas e quem sabe... Fazer com que novas apareçam.
FIM!

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário