terça-feira, 4 de outubro de 2011

Sol e Chuva - Capítulo 9




Capítulo 9


Eu estava exausta, depois de me virar na cama a noite toda, sem conseguir dormir pensando em Jacob. Acabei chegando em cima da hora pra fazer a ronda. Os garotos já tinham ido embora. Corri com Sam o perímetro, ligando e desligando o “reflexo” da minha mente. Era assim que ele se referia a essa habilidade a mais que eu tinha. Ele ainda tentava achar um uso para isso, mas pra mim, não passava de uma grande inutilidade, já que meus pensamentos continuavam a ser ouvidos.

Me transformei e me vesti me arrastando, ainda tinha que ir para a loja trabalhar no turno da tarde. Tudo o que eu queria era a minha cama. Ouvi passos se aproximando, o que fez meu coração acelerar com a expectativa. Mas não era quem eu esperava.

- Olá! – ela disse com um sorriso sarcástico nos lábios.

- Olá, Leah! – respondi desanimada. Tudo que eu não queria era discutir com Leah agora.

- Então você não ouviu o que eu te falei ontem? – ela perguntou se recostando em uma arvore e cruzando os braços no peito.

- Escuta Leah, eu não estou aqui para disputar nada. Pode ficar com o titulo miss lupina para você.

- Desculpe se eu não sou polida para falar, mas eu também não quero discutir. Eu só quis te dar um aviso. Pro seu próprio bem. – ela apontou.

- Um aviso? – estranhei.

- , você conhece o pai do Embry? – ela perguntou.

- Pai do Embry?- eu realmente não sabia quem era o pai do Embry. – Não.

- Pois a mãe dele veio de outra aldeia, ela não é uma Quileute. E ninguém sabe quem é o pai do Embry.


- E o que eu tenho haver com isso? – perguntei já incomodada com aquela fofoca toda.

- Pense! – ela disse. – Se ele faz parte do bando, as opções para pai do Embry ficam restritas. – Leah soltou essa e virou as costas indo embora.

Eu fiquei ali, paralisada remoendo aquela informação. Somente um descendente dos lobos Quileutes, traz o gene da transformação. Então as opções eram Billy Black, o Velho Samuel Ulley, o falecido Harry Clearwater, o Velho Quil Ateara ou... minhas pernas tremeram... meu pai. Respirei fundo. Por isso a conversa de Jacob na noite anterior. Havia a possibilidade de Embry ser meu irmão. Meu irmão. (N/A Meninas essa história sobre o pai do Embry está em Eclipse, não é invenção minha)

Eu só me dei conta que estava chegando a loja quando meus pés tocaram o asfalto do estacionamento no final da trilha. Caminhei mais rápido, precisava tirar essa história a limpo com meu pai, porque além do fato de Embry poder ser meu irmão, meu pai era casado na época, então ele traiu a minha mãe! Abri a porta da loja.

- Oi Chris! Onde está meu pai?

- Oi , ele saiu na hora do almoço e não voltou ainda. - Respirei fundo, meu pai estava aproveitando as minhas tardes na loja para folgar. – O que você tem? – ele perguntou.

- Problemas. – respondi largando minha mochila em cima do balcão e enterrando o rosto nas mãos.

- Com o Black ou o Call? – Chris perguntou. Levantei o rosto para olhá-lo. Chris estava apoiado no balcão com uma revista de moda em sua frente.

- Chris, posso te fazer uma pergunta?

- Claro. – ele respondeu largando a revista e se virando para mim.

- O que você acha do Jake? – perguntei o analisando.

- Acho ele lindo e forte. Mas ele me dá medo. – falou com a mão no peito. Não pude deixar de sorrir. – Você viu como ele me olhou ontem? Achei que fosse me matar!

- Posso te fazer outra pergunta, Chris?

- Se for sobre o que eu acho do Call, eu já te digo que ele não é tão lindo que nem o Black, mas é um fofo.

- Não é isso, não. Não me leve a mal, ok? – mas eu não tinha coragem ser tão enxerida. - Eu na verdade não tenho nada haver com isso. Melhor deixar pra lá.

- Pergunte logo menina. – ele disse.

- Você não vai ficar chateado? – perguntei receosa.

- O que, vai me perguntar se eu sou gay? – ele disse inclinando a cabeça. – Eu acabei me denunciando, não foi? – eu assenti.- É que me senti bem a vontade com você.- ele pensou por um instante - Isso te incomoda?

- Nem um pouco. – respondi sinceramente. – Eu sempre quis ter um amigo gay.

- Eu sabia que você não tinha a cabeça fechada que nem as outras pessoas dessa cidade. - ele girou os olhos. - Só quero te pedir que você não comente. Sabe como é cidade pequena.

- Claro Chris, não se preocupe com isso. – disse.

- Agora, me conta tudo que aconteceu ontem. Estou morto de curiosidade. - parecia que eu tinha acionado o gayterruptor do Chris. Eu estava muito feliz, estava precisando muito de um amigo confidente.

Respirei fundo e contei tudo desde o dia em que cheguei. Só omiti sobre a transformação e a história do pai do Embry.

- Nossa! – ele disse – Você está realmente com problemas.

- Eu sei. – choraminguei. Isso que ele não sabia de toda a história.

- Tem dois gatos apaixonados por você. - Ele apontou.

- O que? – olhei pra ele – Acho que você não ouviu! Jacob já está apaixonado por outra!

- Amorzinho, eu ouvi muito bem. Ele está apaixonado pela filha do chefe Swan.

-Isso mesmo. – falei.

- Vai por mim, ele senti alguma coisa por você sim. Mas... – claro que teria um mas.- ... se um relacionamento fantasma é mais importante que você, cai fora gata. – suspirei alto. -Quer que eu te ajude nessa? – ele perguntou.

- Claro!

-Vou te contar um segredinho. – Chris disse se aproximando. - Quando o cara está a fim de uma garota ele demonstra isso. Ele telefona, aparece, quer conhecer seus amigos, não consegue manter os olhos e as mãos longe dela. Ele vai atrás. Então... deixa ele correr atrás de você. (N/A Esse conselho tirei do livro Ele simplesmente não está afim da você. É bem esclarecedor.)

- Mas desde que eu cheguei, eu não fui atrás dele nenhuma vez. – me defendi.

-Ótimo! Continue assim.- revirei os olhos. Grande conselho!

A campainha da porta soou, indicando que alguém havia entrado. Um Sr de bigodes parou no balcão em frente ao Chris.

- Boa tarde, Chefe Swan! – Chris o cumprimentou. Então esse era Charlie! Fixei os olhos na tela do note em minha frente.

- Olá Chris! John me disse que chegaram umas iscas novas.

- Ah sim. Ele deixou uma caixa separada para o Sr. Só um momento que eu vou buscá-las. – Chris me deu um olhar cheio de significados antes de sair.

- Mas olha só, se não é a ! – Charlie me disse sorrindo.

- Chefe Swan! – o cumprimentei o mais simpática que consegui.

- Você se lembra de mim?

- Um pouco. – menti.

- Talvez você se lembre da minha filha, Bella. Você brincavam de vez enquando, antes de... você sabe.

- Antes da separação dos meus pais? É, acho que me lembro da Bella. – menti novamente. O porque da mentira eu não sei.

- Aqui está, Chefe Swan. – Chris voltou com uma sacola nas mãos.

-Obrigado Chris. – Charlie disse pegando a sacola. – Sabe, talvez seja bom vocês duas voltarem a ser amigas.

Engoli em seco e sorri amarelo. – É acho que sim. – tentei ser evasiva.

- Bella está precisando de novas amizades. – Charlie disse. Ah claro! Ela deve estar querendo ampliar o circulo de amizades dela. Além de vampiros, lobisomens também. - Podemos marcar alguma coisa, quem sabe?

- É quem sabe. – respondi sem jeito. Acho que vou vomitar!

Ele pareceu não notar o quanto incomodada eu estava porque sorriu. – Vou combinar com seu pai. – somente assenti. – Depois eu acerto. – ele falou se dirigindo a Chris e depois saiu.

Soltei o ar em um jato.

- Menina, que sufoco!- Chris falou depois de algum tempo.

- Nem fala!

A tarde passou sem nenhum telefonema de Jacob. Eu olhava o visor do celular de cinco em cinco minutos.

- Ficar encarando o celular não vai fazê-lo tocar. – Chris disse o que me fez mostrar a língua pra ele. Só que ele estava certo. Se Jacob quisesse falar comigo, já tinha dado um jeito de me ligar.

O telefone da loja tocou me fazendo ter esperanças de novo.

-Alô, Raindrop artigos de pesca. – Chris atendeu.-...- Sr. Black! – o nome me fez prestar atenção a conversa e meu coração disparar.-...- Sim, chegaram as novas iscas. – era Billy.=[ -...- Claro que podemos entregar. – Chris continuou a falar no aparelho mas me encarando e fazendo caras e bocas.- ... – Pode ser daqui a uma hora?-...- Ah o Sr não vai estar em casa, mas é pra entregar para o Jacob! – eu tinha que me segurar para não rir das caretas que o Chris fazia. Como eu não pude ter percebido antes que ele era gay?-... – Sim, eu entrego sim.-...-Ah o Sr prefere que a entregue! Claro! – Chris piscou os olhos para mim. – Ok, Obrigado!- Chris desligou.

Meu queixo caiu no chão. – Menina, o sogrinho está do seu lado. – ele pulava e batia palmas daquele jeito mona de ser.

- Menos Chris. – pedi sorrindo.

- Só que você não vai! – ele apontou pra mim ajeitando a franja do cabelo emo com a outra mão.

- O quê? Como assim não vou, Chris? – perguntei.

- Você não vai, quem vai sou eu. Pode ser que eu não sobreviva essa missão, mas que eu vou te ajudar vou. Confie em mim. - ele disse por fim.

- Ok, espero que você saiba o que está fazendo.

-Olá! – Embry disse entrando na loja algum tempo depois.

- Olá Call- Chris cumprimentou.

Embry caminhou até o balcão e parou em minha frente. – Oi. – ele disse sorrindo.

- Oi. – respondi tentando sorrir também. Eu tinha que tomar coragem e falar com ele, mas não sabia como. Embry ficou sério. - Que houve? – ele perguntou.

- Você fica um pouco com a , Call? Eu tenho que fazer uma entrega. – Chris perguntou, pegando a sacola da encomenda de Billy.

- Claro! – Embry respondeu sem desviar os olhos de mim.

- Já volto! – Chris disse fechando a porta atrás dele.

- O que houve? – Embry repetiu a pergunta.

Respirei fundo, eu tinha que falar. – Embry, a Leah me falou... sobre o seu pai. – Embry ficou tenso. – Desculpe tocar nesse assunto. Eu sei que deve te incomodar, mas e se...

- E se John for meu pai? – ele falou me interrompendo.

- Embry, nós podemos ser irmãos! – respondi, mas ele só fez uma negativa com a cabeça. – Como você pode ter tanta certeza?

- Eu sei! – ele respondeu.

Embry! – olhei séria pra ele. – Como?

- Só sei! – ele respondeu.

- Acho melhor eu falar com o John. – falei.

Ele deu de ombros. – Ainda está de pé a nossa saída?

- Claro! – eu iria dizer como eu iria adorar que ele fosse meu irmão, mas achei que ele poderia se chatear com o comentário, então fiquei calada. Ficamos conversando por algum tempo, até o Chris retornar.

- As seis? – Embry perguntou antes de sair.

- Eu tenho que passar em casa antes pra pegar a caminhonete do John. Eu te pego na sua casa, pode ser?

- Claro.- ele respondeu e saiu.

- Você sabe que eu torço pelo Call, não sabe? – Chris falou depois que Embry saiu.

Olhei para ele de soslaio. (¬¬) – Ok, agora me conta o que aconteceu.

- Cheguei lá e ele atendeu a porta sem camisa. – Chris se abanou. – Primeiro me lançou um olhar mortal que me deu um frio na espinha e depois perguntou por você é claro, e eu disse que você estava com problemas e não pode ir.

- Problemas? – estranhei.

- Vai por mim, ele me pareceu bem preocupado. E por falar nisso, ele ainda não te ligou? – ele perguntou.

- Não. – mas ai me lembrei que eu havia deixado meu celular no silencioso. Peguei o celular e olhei o visor. 3 CHAMADAS PERDIDAS Jake. Mostrei para o Chris, o que o fez abrir um enorme sorriso. – Ligo pra ele de volta? – Perguntei.

- Espere uns 10 minutos primeiro.

- Obrigada Chris. – agradeci sincera.

- Que isso flor, eu sempre quis ser fada madrinha. - ele disse e depois riu.

Eu ia fazer um comentário quando o telefone começou a vibrar na minha mão, me fazendo sorrir. Era Jake.

- Alô! – atendi.

!

- Oi Jake! – suspirei ao ouvir sua voz.

Billy disse que você vinha aqui! – ele reclamou.

- É que ...

O... seu colega, teve aqui, ele disse que você estava com problemas.

- Esta tudo bem Jake. É que eu estava falando com Embry sobre aquilo que conversamos ontem.

O que conversamos ontem?

- Leah me falou algumas coisas hoje de manhã.

Quer vir aqui conversar comigo sobre isso? Ou eu posso ir na sua casa, se você quiser.

- Ir na minha casa? – Chris fez que não com a cabeça. E eu também não podia desmarcar com Embry. – Hoje não vai dar, Jake.

Ok. – ele disse desanimado.

-Quem sabe amanhã? – tentei manter a conversa. Chris fez uma cara de desaprovação que eu ignorei.

Então até amanhã. – ele disse, mas eu já tinha ouvido essa antes.

- Até amanhã. – desliguei com o coração apertado. A vontade de sair correndo e bater na porta dele era imensa.

- Você não vai! – Chris falou adivinhando meus pensamentos me fazendo bufar.

oOo

A ida a Port Angeles com Embry foi rápida e tranqüila. Ele me contou de como a mãe dele estava brava pelo fato dele não dormir em casa, já que ela não sabia que o filho era um lobisomem. Isso me fez pensar de como seria difícil se meu pai não soubesse do segredo. Mas Embry não parecia se importar com isso. Ser parte do bando era muito mais importante pra ele, do que os castigos e sermões que a sua mãe pregava todos os dias.

O problema da internet estava resolvido, agora eu podia me comunicar com minha mãe e as minhas amigas que havia deixado no Brasil. Mas um problema maior estava me esperando em casa: como falar com John sobre a paternidade de Embry.

- Pai! – falei após o jantar enquanto recolhia os pratos e levava para pia. – Preciso conversar com o Sr.

- Fale! – ele disse se esparramando mais na cadeira.

Isso vai ser difícil. Eu estava de costas para ele, começando a lavar a louça. Decidi que iria soltar tudo de uma vez, antes que eu perdesse a coragem. Respirei fundo. – Tem possibilidade do Embry ser meu irmão? – ouvi um barulho na cadeira, como se meu pai se segurasse pra não cair.

- Que raios de pergunta é essa? – John disse num tom ríspido.

Agora que eu havia começado iria até o fim. – Eu sei que o Sr. sabe quem é o pai do Embry. Na verdade só podem ser cinco pessoas, e você é uma delas. Mas eu só quero saber se é o Sr. ou não.

- Claro que não! Você acha que eu trairia sua mãe? E você acha que eu deixaria esse namorico de vocês dois se houvesse alguma possibilidade?

- É eu realmente achei que não. – respondi.

- E porque perguntou então?

- Só pra ter certeza. – respondi enxugando o último prato.

- Vocês andam fofocando sobre isso?

-Nós dividimos pensamentos, pai. Se esqueceu. – ele estreitou os olhos com a minha observação. – Bom, vou mandar uns e-mails pra mamãe e vou dormir. Boa noite!

- Boa noite! – ele disse ainda abalado com a conversa.

Reações:

1 comentários:

Quero ler os proximos capitulos, me avise por favor,bjus

Postar um comentário