sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Review de Cosmópolis feita pela "Rolling Stone "

Se você pode saltar após a densidade psicológica do material de origem (romance de Don DeLillo 2003) e do barulho dos tablóides ao redor da estrela Robert Pattinson, esta história fascinante e alucinógena deve provar duas coisas: (1) Robert Pattinson realmente pode atuar, (2) que o diretor David Cronenberg é sempre um desafio.

A estrela é Pattinson como Eric Packer, dono do mundo aos 28 anos, mas ainda incapaz de parar o mundo financeiro e a estrutura desmorona enquanto navega em torno de Manhattan em uma limusine branca. Destino: corte de cabelo. É isso: um dia em uma limusine. Mas DeLillo lotou aquele dia com incidentes. E Cronenberg, um mestre surrealista recordando o seu trabalho em Naked Lunch e eXistenZ, adapta o romance através dos olhos de um poeta e um bom ouvido para a linguagem.

Eric está em uma limusine hermeticamente fechada projetada para bloquear todos os vestígios do mundo exterior. No interior, Eric pode ignorar os protestos da Wall Street com 99%, verificando com seu chefe (Jay Baruchel) e sua guru em Finanças (Emily Hampshire), passam por um exame de próstata, tendo sexo com sua amante (Juliette Binoche), e parando para reuniões preocupantes com sua esposa Sarah Gadon e se encontra com um ex-funcionário frustrado (Paul Giamatti).

Trabalhando com o talentoso diretor de fotografia Peter Suschitzky, Cronenberg cria um mundo em colapso em microcosmo. Neste sonho febril de um filme, Pattinson é incendiário, especialmente em uma cena culminante com a arma com o grande Giamatti. Cosmopolis, é exigente, uma vez que está em negrito, não é um mar de rosas. Digo isso como um grande elogio.

via

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário