quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Review de 'Cosmópolis" no SITGES 2012 - 4/5 Estrelas


David Cronenberg, se tornou um autor completo que pode propor qualquer coisa que decida refletir sendo extenso, complexo, difícil para o capitalismo e sua queda em Cosmópolis. Usando uma ferramenta como Robert Pattinson entregue à sua conclusão lógica, o filme vai para o mundo frio do autismo e uma limusine, a representação final do sistema financeiro global, e lança perguntas sem resposta (alguns), enquanto um grupo de personagens estão caminhando para ela, enquanto o mundo desmorona protagonista.

Excesso. Isso é o que nós vivemos em um mundo onde você não tem que comprar a caixa de uma capela histórica, mas também querem que a capela. Não só você perder o valor do objeto, mas também de qualquer sentimento, ou pessoa. Falamos, sugerimos algumas lembranças à realeza, também assepticamente isolados do mundo real.
Esse olhar e o sorriso mordaz de seu protagonista, a paz enquanto a guerra eclode. Muito fácil se identificar com aqueles que estão de fora, tentando refletir o homem poderoso, certo? Mas ele não se importa, ele quer ir para um corte de cabelo, porque precisa dele. Eu quero. Nada mais importa. O mundo está indo para o inferno, e o Titio David sabe por quê.

A Passividade Cronenberg na forma como as coisas têm shows na estrutura de ritmo pesado aparece. Não é um filme fácil é excessivamente dialogado e puxa muito do conceito e metáfora. Quase em excesso. Mas quando louco canadense colocando vaginas ultrapassado seios para processar o controle da televisão reclamou, certo? Você não pode chicha ou sangue, o excesso não é tão divertido. E que diferem.

Pattinson é grande, constrói o caráter através de autismo e Asperger quase, cruel, perverso, ele percebe que o mundo não pode lê-lo. Ela não pode falhar, e dado a auto-destruição. Como um personagem diz bom em um ponto no filme, "até destruí-lo e você tem que estar para baixo mais do que outros, o melhor para ele." Excesso. Veja? Pattinson-Cronenberg tendem pode nos dar tanta alegria como tinha (tem) com Mortensen. Agora você pode começar a puxar placas minha cabeça.

A diversão de Cosmopolis é inexistente, é um título deprimente, estranho em sua estrutura e desgastante. Cansado, mas de maneiras diferentes, ou agarra-lo e fasciná-lo, ou você está entediado e destrói. Não é fácil chegar a ele, não é difícil de sair. É um estilo que você gosta porca nova, de novo, uma nova voz. Tinha sexual estágio gore, horror outro comercial, um thriller psicológico e um clássico. Cronenberg vira de novo, vida longa à sua carreira, deixar o sangue e a carne que você tem que sair.

*********************************
O melhor do Filme: Pattinson e o cruel olhar da queda do sistema.

O pior: o seu excessivo epílogo.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário