quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Nova crítica de Cosmopolis pelo Screened

O site Screened  divulgou uma ótima crítica de Cosmopolis abordando alguns aspectos do filme como as personagens, a construção da trama, e a direção. Abordando o profundo trabalho em pesquisar o elenco e ainda como isso poderia ter sido mostrado, concluindo que o filme não é fácil de entender e nem de assistir, mas em mostrar os ideais humanos no mundo capitalista, ele merece grande destaque. Acompanhe a seguir o trecho de essa crítica a seguir.






 Em um futuro bem perto da cinemática apresentada, um jovem bilionário chamado Eric Packer (Robert Pattinson) decide em uma manhã que ele irá entrar em sua limosine e atravessar Manhattan para ir em um barbeiro que ele insiste em visitar. No entanto a cidade está cercada por engarrafamentos graças a visita do presidente e um funeral de uma celebridade, e a limo vai devagar pela cidade durante o dia enquanto Packer extrai vários empregados e parceiros de negócios em seu oásis isolado enquanto ele atravessa centímetros de uma cidade desolada de frente com uma crise econômica que mostra sua própria deterioração da mente. 

Esse na verdade é um resumo do novo filme de David Cronenberg, Cosmopolis, como você estava esperando perguntar. Baseado na história de mesmo nome de Don DeLillo, Cronenberg mais uma vez mergulha na psique interior de um personagem problemático em um drama desafiador que gerencia sobre a superfície de um personagem aparentemente íntimo e pequeno, mas que revela águas profundas. Assim como sua recentes obras primas, Marcas da Violência e Senhores do Crime, Cosmopolis é maduro e considerado drama para qualquer um que se pergunte. Isso, no entanto, é onde as similariedades acabam, e onde essa crítica entra é no estranho concreto território de uma viagem de pesadelos.

Desde o começo, o filme tem um strike do estilo moderno naturalista de Cronenberg e entra na realidade da adaptação que faz fronteira com o surreal. Os personagens falam as frases como se estivessem recitando um poema, misturam a essência de um poema Beat com T S Eliot, falando com ordem e metaforicamente uns com os outros enquanto atravessam a cidade que é o útero da modernidade. A limosine, fria e moderna e lotada em todas as paredes com telas de computador, é a decadência no acesso instantâneo e sem limites da vida da internet, um lugar onde Packer se retira para executar sua operação como um imperador no exílio, puxando as pessoas para fora do calor e do caos da cidade para realizar audiências, onde ele questiona seus empregos, suas vidas, seus mais profundos segredos e desejos. 

Na verdade, o filme inteiro fica em sua modo de metáfora, com cada pessoa do modo que o ator encara. Adolescentes presos a tablets mas alheios ao mundo, se comunicando ao redor. Times de segurança, trabalhando na segurança de Packer e do Presidente, enquanto o carro se move como uma mosca. A segurança é profunda e sempre presente, um fluxo constante de ameaças potenciais extraídos de fontes anônimas sussurrada nos ouvidos, os dados sem um filtro que transformam cada ocorrência não planejada em uma crise. Um médico, que vem diariamente, oferece Packer uma constante jogo de todos os problemas de saúde diferentes do homem mais poderoso do mundo, que tem um profundo medo permanente de que no minuto em que ele para um minuto a morte virá para reclamá-lo.

E então tem mulher. Um desfile de mulheres, de empregadas que o assediam e se tornam desconfortáveis, amantes que ele descarta no meio de reuniões e transações comerciais. E sua esposa, a princesa cuidadosamente penteada que é ideal para um homem bem-sucedido, um troféu: erudita, elegante e fria. Ela é o tipo socialmente aceitável do boêmio, um poeta de luxo e dinheiro velho. Packer se apaixona com a ideia de que ela, se transforma em outra de suas prostitutas, e constantemente tenta convencê-la a se rebaixar. Esse é o jogo que ele joga: toda mulher é uma conquista, cada desejo para o sexo é outro problema que ele resolve com dinheiro e analisa com um sentido do negócio de manter a psicologia humana. Há uma selvageria com a política sexual do filme que faz mesmo as dinâmicas desconfortáveis ??de algo como Marcas da Violência se sentir como namoro casto. Aqui, mesmo o sexo casual consensual parece beirar a estupro, com uma ameaça sempre implícita de violência não de brutalidade, mas de puro tédio.

E o tédio começa a aparecer em Packer: ele é um homem que tem tudo, então cada movimento e cada decisão é um gesto de poder. Então quer correr o mundo então todis assumem que ele o faz, mesmo que a realidade esteja caindo sobre ele que ultimamente ele não pode controlar nada. Enquanto ele passa pela cidade, ele observa toda a estrutura da sociedade do lado de fora cair ao redor dele e em toda a sua tecnologia e mineração de dados há um vazio. Há um conhecimento infinito e um entendimento nulo, só um método bruto de manipulação e dominação que o levou para tão alto e que o pode fazer cair com um salto de não conseguir se adaptar ao sistema que ele criou, que agora se move tão rápido que ultrapassa o esforço humano.

Essa lacuna de conhecimento o leva a um breve momento, e para alguém que é baseado em sua identidade de resolver problemas e explorar o lucro, isso o faz quebrar. Quando ele finalmente senta na cadeira do barbeiro após um longo dia de desilusões, ele senta e escuta o pior barbeiro dar um discurso sobre como a vida era quando ele era um jovem em Nova York. Esse é sem dúvida o melhor momento do filme, quando Packer escuta uma identidade que já passou por ele, quando um velho homem acredita em algo falso onde Packer baseou sua vida. Vendo ele perceber que esses problemas não são os problemas da modernidade, mas basicamente problemas humanos - básicos problemas humanos que vem desde a civilização - finalmente o quebra sobre a tensão de uma realidade despedaçada.

É esse momento que chuta a última perna do filme, entrando na destruição e desolação tão profunda que eu não vou começar a inumerar as facetas aqui. Mas é assustador, não só pelo momento parecer ser tão real mas como Pattinson investe no papel. Esse é um tipo de papel que precisa de um ótimo ator trabalhando com um ótimo diretor, e todos os olhos rolando dos críticos das obras mais famosas de Pattinson vão ter de reavaliar após isso assim como o recuo de sua base de fãs em ver o horror de seu ícone se atirar para o fundo das experiências mais negativas humanas. Aqui está alguém, freqüentemente demitido, dando o que eu sinto e que pode ser facilmente o melhor desempenho do ano.

E o que o filme rodeia? Cosmopolis não é um filme fácil de amar ou fácil de assistir. É denso e inacessível, ele tem pedaços de ganância e da cultura corporativa e um vazio no escuro coração da condição humana com um zelo que é assustador. É fora de colocação, deliberadamente, e não tem quase nenhum charme de um filme como Psicopata Americano, que coloca crítica cultural semelhante em uma caixa com segurança a partir de uma distância. Aqui as armas são para fora, e os seguranças fora, e alguém vai acabar ficando gravemente ferido. O filme não fica cego em enfrentar as realidades de agora, em 2012, dos problemas e crenças que estão rasgando pessoas e as economias e nações separadas.

Se qualquer coisa, ele é simplesmente demais. O filme tem um alcance tão grande em sua tentativa de compreender o momento que acaba com muitas coisas a dizer, o que leva a esta distância de sujeito para sujeito a velocidade de pensamento mundial, de mercados e pesquisas na internet. Mas com constante informações vindo de verdades profundas: a realidade da humanidade não mudou, e nunca vai mudar, e há algo em última análise, profundamente terrível em ver a utopia reluzente do ideal capitalista e reconhecendo nele o fato de um animal morto que é a base da vida humana.

Isso significa que Cosmopolis é bom? Não posso responder isso objetivamente. Acho que um importante, bravo filme. Acho que veremos mais pessoas com projetos similares com mais foco em aprender a articular melhor essas ideias. Mas eu acho que Cronenberg se casou com seu jovem senso de algo errado profundo e ele está mais maduro em entender a natureza humana nesse tipo de filme que sintetiza um monstro, um pesadelo fervorosa que assusta não porque parece tão estrangeiro, mas que, por causa da cavalgada de estranheza em tudo muito parecido com o mundo que conhecemos e enfrentamos todos os dias, ainda mais despreparados desse privilégio, que está pronto para devorar todos nós vivo.



                                                                      Via

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário