sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Overcoming por Ellymartins #FANFIC #capítulo09



Capítulo 9

Edward POV

Acredito que nunca senti tanta raiva quanto hoje. Quem aquele trio pensava
que era para tratar minha Bella daquela maneira? Pra mim estava muito óbvio, pelo
menos nas mulheres, a forma invejosa e preconceituosa com a qual encaravam Bella.
Alem delas tinha o tal Mike. Por ele meus sentimentos foram além da raiva. Nojo acho
que caracterizaria muito bem o que senti. Maldito... ainda veio cheio de si dizendo que
foi namorado dela. Confesso que senti ciúmes... e não foi pouco. Mas logo passou ao
perceber o sujeito asqueroso que ele era. Um dia eu ainda saberia exatamente o que ele
disse a ela para que ficasse tão arredia. Tudo bem que ela já estava bem mais receptiva,
mas la no fundo ainda tinha um certo amargor, mas que eu daria um jeito de fazer virar
fumaça.

Eu ainda fico abismado com tanto preconceito, com tanta falta de humanidade.

Mas agora eu nem queria muito pensar nisso. Só queria sentir o calor do corpo de
Bella junto ao meu enquanto eu girava com ela ao som da música lenta. Ainda iria mostrar
que ela podia tudo. Ela estava dançando agora, não estava? A cabeça em meu ombro, os
pés ainda sobre os meus. Meu rosto estava em seus cabelos e eu estava com os olhos
fechados, inebriado pelo seu cheiro.

–Não estou te machucando?

Afastei meu rosto para olhar em seus olhos.

–Só há uma forma de você me machucar Bella.

–Como?

–Se um dia você me disser que não me quer mais.

–Eu sempre vou querer você Edward.

Voltei a beijá-la ciente de que todos os olhares estavam sobre nós. Admiração,
satisfação, preconceito, inveja, incredulidade. E eu estava pouco me importando com
isso. Com Bella em meus braços eu não precisava mesmo pensar em mais nada.

–Quer parar Bella? Talvez esteja doendo a perna.

–Não muito. Mas é melhor pararmos. Daqui a pouco você também estará dolorido.

Apenas rolei meus olhos e olhei pra Tanya que imediatamente se levantou levando
as muletas pra Bella.

–Estava a coisa mais linda vocês dois juntos.

–É a parceira Tanya, com certeza.

Ela sorriu abertamente e beijou os cabelos de Bella enquanto esperava ela se
firmar. Fiquei satisfeito ao constatar que ela não parecia nem um pouco chateada com o
fato de eu estar namorando Bella. Em matéria de família Bella estava muito bem servida.
Eles se amavam, isso era incontestável. E agora havia minha família também. Sei que
eles gostaram demais de Bella. Eu não poderia estar mais feliz.

Voltamos pra mesa e percebi, chateado, que o trio do mal ainda estava lá.
Entretanto as duas mulheres olhavam pra Bella agora com visível despeito. O sujeito... eu
prefiro nem comentar a forma como ele a olhava.

Sentei-me novamente com as pernas abertas, a cadeira de Bella no meio,
deixando-me totalmente de costas para Lauren.

–Onde está Alice?

–Ela queria ir embora e Jasper a levou.

Bella me olhou e sorriu maliciosamente. Sorri também e encostei minha testa na

–Por que tenho uma vaga suspeita que eles queriam ficar a sós?

–Talvez porque seja verdade?

Beijei rapidamente seus lábios e voltamos a nos fechar em nossa bolha. Assim
estava bom demais embora a todo instante a risada irritante de Lauren e da ruiva
chegasse ao meu ouvido. Por fim quando começou um papo sobre traição e eu percebi
que Bella também não estava tão alheia ao assunto eu resolvi ir embora.

–Vamos embora princesa?

–Mas já? A noite é uma criança.

A ruiva falou e deu uma risadinha.

–Realmente. E por falar em crianças há um monte delas fora da cama... já
deveriam estar com a mamadeira e a fralda limpa.

Tanya e Jacob explodiram numa gargalhada estridente que só fez a outra trincar
os dentes. Mas Emmett resolveu estender o assunto.

–Mas é mesmo Edward. Ainda é cedo.

–Eu sei. Aprecio a companhia de vocês mas eu quero um pouco de privacidade
com minha namorada.

–Puff... pra fazer o que?

Lauren falou baixinho, mas mesmo assim eu ouvi. Virei-me pra ela e meu olhar era
tão frio que tive a impressão de vê-la se encolher.

–Farei algo que com toda certeza... jamais faria com você.

Ajudei Bella a se levantar, segurando sua cadeira e em seguida me despedi de

–Divirta-se Edward.

Sorri pra Rose.

–Com Bella? Sempre.

Saímos do pub e Bella se encolheu ao meu lado ao sentir o vento frio. Assim que
entramos no carro eu liguei o aquecedor, mas não dei a partida. Bella estava quieta...
triste mesmo. Segurei seu queixo esperando ate que me olhasse.

–Você sabe que antes de ser seu namorado eu sou seu amigo. Você pode me
contar tudo... desde que esteja preparada, é claro.

–Eu sei.

–Quer ir pra casa?

–Não se ofenda, por favor.

–De forma alguma meu anjo.

Segurei sua mão e apertei levemente, depois dei a partida. Bella ficou olhando
pela janela, a expressão distante então não quis importuná-la. Sei que quando estivesse
preparada ela iria me contar o que a afligia.

Parei em frente a casa dela e só então ela me olhou. Seu olhar era tão triste que
senti meu peito apertado.

–Eu namorei Mike por um tempo.

Engoliu em seco e segurou minha mão.

–Não precisa me dizer nada se não estiver a vontade.

–Não... você só me faz bem. Eu sei que irei me sentir melhor se contar a você.

Dobrei uma das pernas e me arrastei até ela passando os braços em volta da sua
cintura.

–Tudo bem. Sou todo ouvidos.

–Então... eu namorei o Mike por um tempo. Era legal, a gente se divertia. E eu
pensei que gostasse realmente dele.

–Pensou ou gostava?

–Se eu for comparar com o que sinto por você hoje eu vejo que não sentia
absolutamente nada por ele.

–Olha que posso ficar convencido.

–Você pode. Mas então... era um namoro...hã... comum. Claro que sabia que
Mike teria suas necessidades de homem, mas pensei que ele estivesse apenas me
respeitando. Até que um dia Jake viu...

Ela inspirou e eu apertei meus lábios em seus cabelos.

–Jake viu quando Mike saiu de um motel com Victória.

–Quem é Victória?

–Aquela ruiva que estava com eles.

–Ah sim. E então?

–Óbvio que acreditei no Jake. Ele sempre foi meu amigo e jamais mentiria sobre
isso. Mas ele insistiu. Queria que eu visse com meus próprios olhos. E acho que ele
estava certo quanto a isso. Mike poderia muito bem tentar me enrolar, apesar do que eu
jamais desconfiaria do Jake. Pelo menos eu acho. Bom... um dia ficamos em vigília em
frente ao motel e então eu os vi.

Ela apertou minha mão com mais força e eu busquei seus lábios. Apenas um
selinho para deixá-la mais à vontade. E fiquei feliz quando ela aprofundou o beijo,
demorando-se um pouco mais.

–continue...

–Então eu confrontei o Mike, óbvio. Sabe... eu pensei que ele iria negar, falar que
era intriga para nos separar. Mas ele simplesmente confirmou tudo.

–E o que mais ele disse?

Ela ficou um tempo em silêncio e eu vi uma lágrima rolar pelo seu rosto. Primeiro
passei meu dedo e depois meus lábios.

–Não quero que me conte nada se isso lhe fizer mal.

–Não. Eu preciso falar. Ele me disse que era apenas sexo. E então eu perguntei
por que não comigo que era namorada dele?

–Bella... seja la o que ele tenha dito...

–Ele disse que iríamos ficar no papai e mamãe. E que ele gosta de varias
posições. Eu jamais poderia ficar de quatro pra ele ou cavalgar sobre ele.

Eu não sabia se estava mais abismado com o que acabei de ouvir ou se pelo fato
de Bella ter explodido num choro incontrolável. Se eu já não tinha ido com a cara do tal
Mike... agora piorou. Eu ainda iria pegá-lo de jeito e fazê-lo engolir cada uma dessas
palavras nojentas que disse a Bella. Abracei-a fortemente, a boca em seu ouvido.

–Não chore princesa. Não vale a pena... ele não vale a pena.

–Eu sei. Mas é que... doeu. Dizem que...a verdade dói não é?

–Dói. Mas nesse caso não deveria doer porque não é verdade. Lembre-se do que
eu disse: você pode tudo.

–Mas ele está certo em alguns aspectos.

–E não se lembra o que falei a respeito de..hã... sexo? Porque estamos juntos
agora, então imagino que seus pensamentos são em relação a mim.

–São. Claro que são.

–Então... eu te disse que não preciso de uma malabarista Bella. Eu fui sincero.

Ela segurou meu rosto, olhando fundo em meus olhos.

–Você... você sente...

Ela se calou, fechando os olhos e balançando a cabeça.

–Eu fico até envergonhado por ter esses pensamentos Bella. Mas eu desejo você
sim, se é o que quer saber. E desejo muito. Mas o fato de não avançar com você não
quer dizer que eu vá me satisfazer com outra.

Sei que o que eu iria dizer a ela agora talvez fosse da boca pra fora. Sinceramente
eu não sei até quando conseguiria segurar minha paixão por Bella. Eu disfarçava bem,
eu sei. Mas somente meus sonhos poderiam dizer o quanto eu a queria. Mas ao mesmo
tempo eu sentia que com ela teria que ser diferente. Eu queria que fosse diferente.

–Você pode me achar um bobo, antiquado. Mas eu quero fazer do mesmo jeito
que foi com meus pais. Eu quero seguir todo o ritual com você Bella. Mas não pense
nunca que é desejo de menos.

–você é perfeito.

–E sou seu... inteiramente seu.

***********

A semana passou rápida assim como o fim de semana. Bella e eu continuamos
indo para Port Angeles juntos, mas agora ela voltava com Jéssica, já que eu precisava me
dedicar ao consultório. À noite eu ia até sua casa ou a levava pra minha. O típico namoro
às antigas, mas eu adorava simplesmente ficar abraçado a ela, vendo TV, ouvindo música
ou apenas conversando. De vez em quando eu chegava um pouco mais cedo e então
continuávamos com as aulas de direção. Bella era boa motorista, aprendia rápido.

No sábado fomos para a associação e nesse dia aconteceu algo que me deixou
realmente feliz. A mãe de uma das crianças veio conversar comigo. Eu ouvia atentamente
seu desabafo.

–Eu tento sabe? Mas eu simplesmente não consigo... é demais pra mim. Que
futuro minha filha pode ter? O que ela pode conquistar na vida? Nada.

–Olhe Sue... será que você não está descontando sua frustração na sua filha?

–Como?

–Me parece que você queria trabalhar fora, sair e não ficar apenas em casa
cuidando de sua filha com problemas visuais.

Seu silêncio confirmou que eu estava certo.

–Pense bem. Se você que é mãe dela tem esse tipo de preconceito, quem mais
não terá?

–Mas eu não tenho preconceito.

–Lógico que tem. Olhe o que você falou: que futuro sua filha pode ter... o que
ela pode conquistar. Ela pode tudo. Claro que de uma forma diferente das pessoas
chamadas “normais”. Nunca ouviu falar em Ray Charles? Stevie Wonder? Ambos
cantores famosos e com problemas visuais? E o que me diz dos para-atletas olímpicos?
Isso tudo se chama superação Sue. Mas se você que é mãe, que deveria dar apoio
está colocando obstáculos que chance ela poderá ter? Abra sua mente Sue. Bree não é
nenhuma coitada. Olhe pra ela. É linda, alegre, carinhosa.

Falei e sorri ao me lembrar de sua aproximação mais cedo. Ela queria saber se o
namorado da Bella era bonito. Fechei meus olhos e deixei que ela tocasse meu rosto. Seu
toque era tão delicado, tao cuidadoso. Depois da inspeção ela se afastou sorrindo.

–Nossa Bella... ele é lindo.

–Talvez você tenha razão Edward.

–E tenho Sue. Pense em tudo o que falei e passe a observar sua filha. Ela só
precisa do seu apoio. A família é a base de tudo. Se ela tiver o seu apoio tudo será
diferente. Mas terá que ser de peito aberto, sem medo, sem preconceito. Não tem que
ficar podando nada, ao contrário. Tem que colocá-la pra frente. Ela vai cair um dia? Claro
que vai. Todos nos caímos, mas isso faz parte da vida. São os obstáculos que temos que
transpor para ficarmos fortes. E acredite... ela tem uma força que você não é capaz de
imaginar. Digo isso por experiência própria.

Nesse momento eu olhei pra Bella que me olhava do outro lado do salão. Ela
sorriu, satisfeita ao ver que minha conversa estava surtindo efeito, a julgar pela expressão
de Sue.

–Obrigada Edward. Nossa... não imagina o bem que me fez conversando comigo.
Você é realmente incrível.

–É meu trabalho, mas quero que pense nessas palavras como sendo de um amigo
e não de um profissional.

Assim que ela se levantou eu fui até Bella abraçando sua cintura.

–Sue parece outra pessoa somente por conversar com você.

–Eu espero que tenha ajudado realmente.

–Aposto que sim. Mas agora quero que cuide de mim.

–Com todo prazer.

Falei antes de beijá-la. Bella estava mais solta, ainda mais alegre do que já era e
arrisco a dizer: mais apaixonada. Eu nem sabia o quanto eu poderia estar mais maluco
por ela. A minha vontade de avançar em nosso relacionamento crescia cada vez mais.
Não digo no aspecto sexual, mas de compromisso mesmo. Estava tão apaixonado que já
pensava em me casar com ela. Mas nem ousei tocar no assunto. Não faço ideia de qual
seria sua reação.

*******

Estiquei meu corpo na cadeira e conferi as horas. Hoje eu teria que sair as
dezesseis horas. Olhei ao redor, satisfeito com meu consultório.

Incrível como o tempo passou rápido. Hoje Bella e eu comemorávamos três meses
de namoro. E hoje também ela tentaria tirar sua licença para dirigir. Esteve muito ocupada
com os trabalhos de escola que acabamos dando um tempo nas aulas. Mas agora ela
estava mais do que preparada.

Estávamos bem... muito bem na verdade. Portanto hoje eu encontraria coragem
para dizer a ela o que eu vinha pensando há tempos. Ficar apenas algumas horas com
ela e depois ter que voltar pra casa já não me satisfazia mais. E pior... tentar disfarçar o
que ela provocava em meu corpo estava cada vez mais difícil. Ja não era mais paixão. Eu
amava Bella com todas as minhas forças.

–Edward?

Olhei pra porta e vi Jéssica sorridente, mas ao mesmo tempo temerosa.

–Desculpe. Eu bati mas você não respondeu.

–Não tem problema. Eu estava longe.

–Pensando em Bella...

–Como sempre. O que foi?

–Só pra avisar que já estou indo.

–Tudo bem. Daqui a pouco estou indo também.

Desde quando comecei a trabalhar em meu consultório Jéssica veio trabalhar
comigo. Eu precisava de uma secretária e ela não queria mais ficar dependendo do
dinheiro dos pais. Bella me incentivou a contratá-la e acabei aceitando. Mas por causa
disso ela perdeu sua carona. Dessa forma Alice, que já estava trabalhando no laboratório
da universidade dava carona pra Bella todos os dias.

Mas hoje isso iria acabar. Bella iria tirar sua licença e poderia usar meu carro.

–Edward... eu só queria te contar uma coisa antes de sair.

–O que foi Jéssica?

–Você falou que não era pra recusar nenhum cliente.

–Sim. Eu gosto de ter um primeiro contato para saber se o paciente irá precisar
mesmo de um psicólogo ou não.

–Então... alguém ligou e eu marquei o horário.

–Tudo bem.

–Foi a Lauren.

Fiquei encarando Jéssica por um tempo. Eu não recusava pacientes sem antes
conhecer seu caso pois seria anti ético. Mas eu já estava acostumado a ver mulheres
querendo se consultar comigo, mas com outras intenções. E pelo visto Lauren seria mais
uma. Depois daquele dia na boate há alguns meses nós não nos encontramos mais
no pub. Mas vi Mike e Victoria algumas vezes, sempre com um sorrisinho malicioso e
debochado.

–Não se preocupe Jéssica. Se for algum golpe dela, eu a colocarei em seu lugar.

–Bella não vai gostar disso. Nossa... não sabia que ela era tão ciumenta.

Eu ri.

–Nem eu. Mas fique tranquila. Dará tudo certo.

–Bom... então vou indo. Diga a Bella que desejo boa sorte. Infelizmente não
poderei ficar.

–Eu digo sim. Até amanhã.

Pouco depois eu saía também e logo me encontrava com Bella. Ela estava tensa
encostada na lateral do carro.

–Oi anjo...

Segurei seu rosto e beijei sua boca.

–Ja estou nervosa e você ainda me beija assim.

–É pra dar sorte.

–Você me da sorte. Sempre.

–Então não há por que se preocupar.

Abracei-a e beijei novamente, apertando seu corpo de encontro ao meu. Bella estreitou um dos braços à minha volta, entregando-se a mim, como sempre. Minha língua brincava em sua boca antes de envolver a sua. Meu corpo todo se arrepiava quando nos beijávamos assim. E eu percebia que Bella também sentia algo muito intenso, mas ainda assim eu me segurava. Mas o que eu precisava dizer a ela não daria mais pra segurar.

Apenas esperei o resultado para não deixá-la nervosa. Bella foi perfeita em tudo e
quando me disse com os olhos cheios de lágrimas que havia tirado sua licença eu segurei
seu rosto, olhando em seus olhos, o coração disparado com medo de sua reação.

–Parabéns meu amor. Eu sabia que você conseguiria.

–Eu posso tudo esqueceu?

Falou sorrindo entre lágrimas e eu sorri também.

–Jamais me esqueceria de minhas palavras pra você. Mas Bella... eu preciso dizer uma coisa...

–Diga.

Encostei-a na lateral do carro, peguei suas muletas e abracei sua cintura. Suas
mãos deslizaram pelos meus braços e se apoiaram ali.

–Não consigo mais ficar guardando isso, embora tenha quase certeza que você já

Encostei minha testa na dela e inspirei profundamente, soltando o ar lentamente
depois.

Nossos olhares se encontraram e eu cheguei a tremer com a intensidade que vi
nos olhos de Bella. E antes que eu dissesse qualquer coisa, ela ergueu a mão e tocou
meu rosto.

–Eu amo você Edward. Amo demais.

Eu ofeguei, surpreso demais pela declaração inesperada. Claro que sabia que
nossos sentimentos estavam mais fortes, intensos. Mas nunca imaginei que ela diria
primeiro.

–Eu também amo você Bella. Nossa... como eu amo.

Beijei-a rapidamente. Precisava continuar falando antes que perdesse a coragem.

–Por isso... eu não quero que seja apenas minha namorada. Quero você... como
minha noiva. Você aceita?

Foi a vez dela ofegar, mas em seguida sorrir.

–Eu aceito.

–Mas a aliança só irá para o seu dedo na frente de toda nossa família.

–Eu não esperava outra coisa de você.

Dessa vez eu a beijei como se deveria beijar sua futura esposa.

Notas finais do capítulo
Não se assustem com a pressa de Edward em ficar noivo. Mas o casamento ainda demora um pouco.
Obrigada a todas pelos comentários e recomendações.


Confira todos os capítulos postados AQUI

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário