terça-feira, 13 de março de 2012

FANFIC - Sol&Chuva - Capítulo 29







Capítulo 29


Me sentei no chão e apoiei minhas costas em uma árvore. Puxei o capuz do moletom, para bloquear um pouco a luz do dia que estava nascendo. Coloquei os fones do Ipod e fechei os olhos tentando organizar os meus pensamentos. A conversa de Sam ecoando em meus ouvidos. Eu sabia que sofreria enquanto Jacob estivesse ligado a Bella, mas não iria conseguir viver longe dele novamente isso era certo. Não demorou muito pra que eu começasse a relaxar, mas antes que eu caísse na inconsciência completa, meu subconsciente captou o cheiro de Jacob. Sorri involuntariamente.

Abri os olhos dando de cara com a imagem perfeita do meu namorado. Ele também sorria. – Demorei muito? – perguntou estendendo a mão para me ajudar a levantar. Ele me puxou um pouco mais forte que o necessário, me grudando ao corpo dele e passando as mãos pela minha cintura e me prendendo a ele.

- Não deu tempo nem pra sonhar. – respondi colocando minhas mãos no seu rosto.

- Então nem sentiu a minha falta? – Jacob perguntou. Lentamente ele se aproximou. Encostando a sua boca de leve na minha.



Com as pontas dos dedos, tocava seu rosto, seu pescoço, e devagar o puxei pela nuca. Enquanto eu brincava com minha língua nos seus lábios, ele me puxou mais forte pela cintura. Nossas línguas se entrelaçaram. Um beijo terno, quente, suave...

- Muito! – respondi partindo o beijo, aproveitando o resto de sanidade que ainda tinha. – Mas eu tenho que ir.

- Eu te levo pra casa! – Jacob me disse pegando a minha mochila e colocando no ombro. Descemos a trilha de mãos dadas.

- E então, resolveu os assuntos com a Bella? – perguntei tentando não aparentar a curiosidade que eu sentia, enquanto atravessávamos o estacionamento do Centro Comercial.

- Só uma idéia que eu tive para despistar os novos sanguessugas. – ele respondeu.

- E eu posso saber que idéia foi essa?- perguntei tentando segurar minha enorme curiosidade

Jacob me olhou de lado, como se estivesse me analisando. – Vou levar a Bella até o acampamento para disfarçar o cheiro dela.

- Como assim, levar a Bella? – perguntei desconfiada.

- Levar ela no colo. – ele disse como se fosse a coisa mais normal do mundo. Sem querer deixei meus dentes baterem ruidosamente. Jacob notou isso. Jacob parou me fazendo parar junto, já estávamos no gramado da casa de John – Não fique chateada. É só uma maneira das coisas ficarem mais seguras. Eu só vou estar a levando para o Edward. – ele disse segurando meu queixo, levantando meu rosto e fazendo com que eu o encarasse.

- Tudo bem, Jake! Obrigada por me trazer! – falei tentando me desvencilhar dele. Jake não me soltou e sorriu. Ótimo! Agora ele acha graça da minha cara. Muito bom! Pensei irônica ficando mais emburrada. – Qual é a graça? – perguntei brava.

- Desculpe! – ele disse ainda rindo mais ainda. – Mas é bom saber que não sou o único ciumento. – Jacob me puxou mais pra ele, me prendendo com seus braços.

- Você vai ter ciúmes de quem, Jake?

- De quem? , você não imagina como era difícil agüentar aquele monte de lobos babões na minha cabeça.

Eu ri incrédula e sacudi a cabeça negativamente. Pra mim aquilo não passava de absurdos. – Besteira sua!

- Besteira minha? E aquele surfista parafinado? - Ok, talvez do David ele tenha razão! - E o pior de todos, - Jacob continuou. – O Christian!

Ri alto. – O Chris? – perguntei incrédula.

- Agora quem não está achando graça, sou eu.- ele disse emburrado. O céu já estava nublado e os primeiros pingos começavam a cair em nós

- Desculpa! – falei tentando segurar o riso. – Mas Jake, o Chris?

- Ele passa mais tempo com você do que eu. E eu já vi vocês dois junto, ele está sempre te abraçando, e você retribui. – ele acusou.

Isso era verdade. Mas eu não podia dizer que Chris não representava perigo nenhum. Que era mais fácil eu ficar com ciúmes dos pensamentos do Chris do que ele, mas eu tinha prometido não falar das preferências do meu amigo pra ninguém. – Jake, confia em mim! Ele é só meu amigo.

- Eu te digo a mesma coisa, . Bella é só minha amiga.

Tudo que eu queria era tentar acreditar nisso! - Ok Jake! Eu tenho que entrar, nos vemos mais tarde. Tudo bem? – disse colocando a mão na maçaneta da porta

- Espera , não fica chateada. – ele disse segurando minha mão.

- Tá tudo bem, Jake. – mas não estava. – Só que no meu caso, você foi o único garoto que eu amei na vida. Eu nunca prestei atenção em outro, porque só penso em você. – eu não entendi se foi o que eu disse, ou outra coisa, mas os olhos de Jake pareceram incendiar, seu olhar ficou intenso.

Ele agarrou a minha nuca no mesmo instante com força, com raiva e me beijou do mesmo modo.. com intensidade, sua língua macia .. quente, era tudo que eu queria, tudo que eu precisava, não era necessário mais reconhecimento só era necessário isso: eu e Jake e mais nada. Ficamos nos beijando por algum tempo até que ele parou para o meu total desgosto.

Ele abriu a porta com um baque.

- Seu pai está em casa? – ele disse sem fôlego. A única coisa que consegui foi fazer uma negativa com a cabeça. Jacob baixou as mãos pelas minhas pernas puxando para que eu me encaixasse nele, subiu as escadas me levando até o meu quarto e me sentou na cama virando para trancar a porta. Eu levantei e joguei meus braços em seu pescoço, os braços dele desceram até minha cintura me puxando violentamente pra ele e então me beijou mais forte do que nunca, ele parecia querer me sufocar. Eu queria me fundir em seu peito, para que esse momento não terminasse. Levei minhas mãos para segurar seu rosto nelas e para poder encará-lo. Ele sorriu e encostou seus lábios nos meus de novo me apertando ainda mais fazendo minhas pernas amolecerem.

Nem me dei conta quando e como ele tinha nos levado até a cama, mais nós já estávamos nela agora, nós ainda nos beijávamos e eu pensei como isso milagrosamente estava acontecendo sem eu ter desmaiado ainda. As mãos dele abandonaram minha cintura pra passear por meu corpo eu apenas suspirei em resposta, ele deixou minha boca e eu senti sua respiração próxima a minha orelha.

- Eu não consigo viver longe de você .– ele desceu com sua boca por meu pescoço o lambendo e beijando me fazendo arfar – Me desculpe – ele pediu contra minha garganta – mas eu não vou deixar você sair mais de perto de mim.

- Que seja – falei mais pra mim do que pra ele. Uma de suas mãos subia por baixo de minha blusa pra acariciar meus seios por cima do sutiã enquanto a outra apertava ferozmente minha coxa, mais a lembrança de que isso poderia acarretar me fez chamá-lo. – Jake acho que...-

- Shhh você acha demais – ele sussurrou contra minha boca – não adianta... você é minha agora.

- Não só agora, sempre. – consegui dizer antes dele voltar a me beijar devorando minha boca, sua língua me incitava, eu já espalmava minhas mãos por todo seu peito, minha blusa foi rasgada junto com o sutiã me fazendo rir em sua boca – precisava rasgar as minhas roupas, Jake? – perguntei arfante quando ele se separou de mim pra me encarar.

- Assim é mais fácil! – ele disse sorrindo – e mais excitante também – o sorriso se tornou malicioso, eu estremeci com a forma que ele me olhava. – Você é minha! – ele repetiu ao se inclinar e alcançar meus seios com sua boca, eu gemi alto arqueando meu corpo pra ele.

Minha calça foi arrancada rapidamente, a dele já estava no chão. Tinha desespero em cada toque como se nós não nos víssemos a muito tempo ou como se não fossemos nos ver mais. Minhas mãos voaram pro seu cabelo o puxando, eu queria. Eu precisava da boca dele na minha, ele me entendeu, mais antes de me beijar subiu com ela por meu pescoço me torturando fazendo com que eu me contorcesse em baixo dele, suas mãos massageavam minhas coxas. Eu estava gemendo quando ele alcançou minha boca mordendo meus lábios me fazendo gemer ainda mais.

Só que dessa vez, e queria estar no comando. Empurrei o Jake para o lado, o fazendo deitar de costas na cama. Ele me olhou um pouco assustado, mas logo o seu sorriso de sol iluminou seu rosto. – Agora, você é meu! – eu disse.

- Com todo prazer! – ele respondeu. Me levantei para poder me encaixar em Jake, me abaixando devagar. Mordi os lábios para segurar o grito, enquanto sentia ele entrando em mim . Jacob gemeu e revirou os olhos, apertando forte minha cintura com as mãos. Agora eu dava as cartas do jogo. Me debrucei sobre ele e ficamos nos encarando enquanto nossos corpos se movimentavam. Eu começava a sentir os primeiros espasmos atravessarem meu corpo, e acelerei mais os movimentos.

- Céus! – gemi enquanto Jacob beijava e lambia o meu pescoço, segurando forte as minhas coxas falando em meu ouvido com sua voz mais rouca do que o normal. “Eu não consigo acreditar que você é minha! Só minha!” Ele continuava se movimentando dentro de mim, fazendo um espasmo violento me atingir me fazendo gritar.
Jacob acelerou mais. Cravei as unhas em seus braços fechando os olhos. – Não! – ele disse. – Eu quero ver esses olhos azuis! – abri os olhos sorrindo, vendo meu Jacob explodir de prazer dentro de mim. Deixei meu corpo cair de lado. Nós dois ofegantes. Jake se desconectou de mim, me fazendo gemer mais uma vez. Encostou sua testa na minha, até que nossas respirações se acalmassem. – Eu amo você! – ele disse.

- Eu amo você mais! – disse sorrindo, fazendo ele gargalhar.

- Como minha garota é competitiva!- ele disse me puxando para os braços dele, me aninhando em seu peito. Fiquei ali, ouvindo seu coração, até adormecer.

Levantei a cabeça do peito de Jacob para poder olhá-lo melhor, ele estava lindo dormindo tranquilamente. Corei me lembrando do que nós tínhamos acabado de fazer. Foi tão incrível, tão mágico. Jake era tão lindo! Eu o amava tanto, mas o medo de que Bella o tirasse de mim era enorme. Suspirei e olhei pela a escuridão atrás das minhas cortinas, a chuva a muito já tinha ido embora e o céu estava estrelado. Me virei e sentei na cama, mas Jacob agarrou minha mão me impedindo de levantar.

- Já vai me deixar?

Virei meu rosto sorrindo para ele. Ele estava parado me admirando como se me visse pela primeira vez, foi só ai que eu percebi que ainda estava nua, meu cabelo cacheado desciam em cascata pelas minhas costas. Corei e puxei rápido o lençol para me cobrir.

- Você é linda! – ele me puxou e beijou meu ombro subindo pelo meu pescoço.

- Jake?

-Hmm – beijando minha orelha. Tentei me concentrar.

- Nós temos que ir! – conseguiu falar em um sussurro.

- Temos?- ele falou no meu ouvido.

- Aham... antes que Sam mande um dos garotos para ver o porque não aparecemos.

- Eles devem desconfiar. - agora nós estávamos nos beijando, mas eu pude ouvir meu pai batendo pratos na cozinha.

- Vamos, Jake, seja bonzinho consegui- falar enquanto ele beijava meu pescoço de novo – meu pai está em casa.

- Ele já chegou a muito tempo.

- Então você tem sorte que ele na seja enxerido.

- Ele gosta de mim.

- Aham. Deixa ele te pegar aqui! Vamos Jake, se vista e pule a janela.

Enrolada no lençol levantei, catei as roupas de Jake e atirei para ele. Ele se vestiu rapidamente, e pulou a janela, não antes de me dar um beijo e me dizer “Te espero lá fora”. Tomei um banho rápido tentando desmanchar os nós dos meus cabelos, me vesti rápido e peguei minha mochila. Meu pai já estava na sala sentado no sofá, com um enorme sanduíche no colo.

- Oi garota, estava dormindo?

- Estava pai! -Fui direto para a cozinha preparar quatro sanduíches, três eram para Jacob. Eu sabia que ele estava morrendo de fome. Eu estava. Peguei mais um pacote de batata frita, e algumas latinhas de refrigerante, enfiei tudo com cuidado na minha mochila.

- Sam está pegando pesado com vocês, não é?

- É, mas está sendo preciso. Não me espere, tá?

- só uma coisa. Eu estava pensando no que você me falou sobre a historia de ter uma amiga e se sentir sozinha.

- Sim, pai?

- Pois eu liguei para sua tia e convidei sua prima Aiyana pra passar um tempo aqui. Você se lembra dela?

Minha tia Sarah havia se casado com Tom, irmão de meu pai. Aiyana filha deles era somente oito meses mais nova que eu. Tio Tom havia falecido quando nós tínhamos uns cinco anos, apenas e minha tia havia voltado para Condado de Makah onde tinha se casado novamente. Algumas vezes Aiyana vinha passar as férias em La Push, mas depois da minha partida para o Brasil, nunca mais nos falamos.

- Pai, não sei se é uma boa hora.

- Claro que não agora, pensei em depois que essa confusão toda passar. – ele disse enrugando a testa.

- Ótima idéia, pai! Mas tenho que ir.

-Ok, se cuida, garota.

- Pode deixar pai.- e corri para Jacob.

oOo

Jacob e eu seguíamos pela floresta de mãos dadas.

- Vamos nos transformar? Os outros devem estar preocupados? – perguntei.

- É melhor. – ele concordou.

Paramos e eu larguei minha mochila no chão, procurando algum lugar escondido para tirar a roupa.

- Ah, para com isso, ! Por acaso tem alguma coisa que eu não tenha visto ainda e não tenha gravado na minha mente?

- O que você viu ou não, não tem importância nenhuma, Jake. Trate de ir virando de costas. - fiz um sinal de contorno com o dedo indicador que ele obedeceu - E não vale espiar!- me virei e comecei a tirar minha blusa, coloquei as mãos nas costas e abri o fecho do sutiã, jogando os dois no chão. - E por falar no que você tem na mente, Jake. Acho bom você dar um jeito de não deixar isso a vista para os garotos, eu não... – Nesse momento eu virei o meu rosto para trás e dei de cara com um Jacob parado olhando fixamente para mim. Cruzei os braços no peito.- Jake, eu disse que não podia espiar!

O olhar de Jake ardia de desejo. Ele atravessou o espaço entre nós em dois passos largos e me segurou pela cintura, eu coloquei as mãos no peito quente de Jake. O coração aos pulos. Ele me olhou intensamente, os olhos queimando os meus. Uma das mãos dele deslizou pelas minhas costas agarrando minha nuca, prendendo os meus cabelos entre os dedos, ele me puxou mais para si. Nossos peitos nus encostados. Nossa respiração ofegante.

- Jake... – falei em um sussurro fechando os olhos. E ele me beijou, sua boca forçando a minha a se abrir para dar passagem a sua língua.

- , acho que nós ainda temos um tempo. – ele falou no meu ouvido, quando sua boca desceu para beijar meu pescoço. Sua voz quente e rouca me enlouquecendo.

Uma mão de Jake ainda segurava com força meus cabelos enquanto a outra levantava a minha perna e a encaixava na sua cintura.

- Jake, por favor não rasgue meus jeans.- eu disse enquanto virava a cabeça dando mais espaço para seus beijos no meu pescoço, ele riu abafado, mas não parou de me beijar. De me lamber.

Sua mão desceu da minha nuca e se juntou a outra na frente da minha barriga, abrindo o zíper da minha calça, enquanto sua boca se juntava a minha novamente. Eu ajudei tirando minha calça desajeitadamente, tentando não desgrudar dos lábios dele. Nós rimos juntos.

Sem desmanchar nosso beijo, ele me levantou com uma mão, encostando minhas costas em uma árvore e usando a coxa para me apoiar, deslizou suas mãos pela lateral do meu corpo, puxando minhas pernas para que eu as cruzasse em sua cintura. Uma mão foi para o meu rosto, a outra enrolou na lateral da minha calcinha a arrebentando com um só puxão. Coitada, essa não teve nem chance. Jake era insaciável. Em pouco tempo ele me possuiu, me fazendo delirar de prazer.

Jacob encostou a testa na minha. Nossos olhos fechados. Nossas respirações ofegantes. Sentia as batidas do meu coração nos ouvidos.

- ! – ele me chamou depois de alguns instantes sem tirar a testa da minha.

-Hmm?.- nossos olhos ainda estavam fechados.

- Você poderia por favor, não participar da luta?

- Ah, não, Jake. Não comece. – falei me afastando dele.

- Por favor, por mim?

- Isso não é justo, Jake.

- Eu imploro.

Olhei bem dentro dos seus olhos escuros.

- Esquece!- ele enrijeceu – E vamos logo que já tá na hora!

Nós transformamos e saímos correndo para encontrar o bando.

Chegamos onde o bando estava reunido, Jacob sempre a minha frente. Me sentei ao seu lado depois que ele se posicionou ao lado direito de Sam

Bom pessoal é o seguinte: – Sam começou depois que todos se posicionaram em sua volta - a batalha será nesse sábado. Bella ira fazer uma trilha com seu cheiro pela floresta até a grande clareira. Isso atrairá os vampiros para lá. Alice já nos informou que eles se dividirão em dois grupos quando sentirem nosso cheiro. O nosso grupo seguirá ao oeste pela floresta, o outro grupo os Cullens atacarão na grande clareira. Alguma dúvida?

Bella estará na clareira?

Não Jared, Edward quer que ela fique acampada na montanha ao leste daqui. Ele está cuidando disso. Jake vai levá-la até lá.

É só para disfarçar o cheiro –
disse Jacob, esfregando seu focinho na minha orelha.

Eu sei, não se preocupe, Jake

Isso
– afirmou Sam- também precisamos que alguns dos nosso fiquem de vigia na aldeia. Brady e Collin, conto com você para isso

Os garotos protestaram, mas no fim aceitaram a tarefa.

Seth, preciso que você fique com a Bella, caso ela precise se comunicar com a gente.

Com uma jogada inteligente, Sam retirou os mais novos da luta. Isso me tranqüilizou um pouco.

Alguém tem algo para acrescentar?- Sam disse me olhando.

Não- respondi

Jake me olhou sério

Sempre teimosa

Ignorei o comentário.

Sam – Jacob chamou – acredito que não precisamos ir todos hoje não acha?

Sam encarou Jacob por um segundo.

É realmente não precisa.

Eu poderia ir sozinho


Agora foi minha vez de encará-lo sério. Ele me devolveu o olhar.

Não - disse Sam – Quil e Embry vão com você

Ok


Quil e Embry se posicionaram ao lado de Jacob

Te vejo na sua casa – Jacob me disse

Estarei te esperando aqui – ergui o focinho

Não vai adiantar discutir, não é?

Que bom que você me conhece


Ele se aproximou de mim e esfregou sua cabeçona vermelha na minha.

Ah, vocês dois, parem com essa melação

Sorri e fiquei olhando os três se afastarem.

Collin, Brady e Seth vocês estão dispensados - ordenou Sam

Sam não dispensou os outros, preferia que estivéssemos preparados. Ele não confiava totalmente nos Cullens.

Eu deitei minha enorme cabeça cinza nas patas dianteiras e esperei ouvindo Paul e Jared brincando de luta mais adiante no outro canto da nossa pequena clareira. Sam, o imenso lobo negro, estava sentado no centro, suas orelhas erguidas, concentrado em Jacob, Quil e Embry.

Ouvi um lobo se aproximando por trás e não precisei olhar para saber que era Leah, nem me dei o trabalho de erguer a cabeça.

Vim lhe dar os parabéns, . Você conseguiu ganhar o prêmio Corno de Ouro.

Paul e Jared paralisaram imediatamente.

Ouvi Jacob rosnar na minha cabeça. Claro que ele estaria ouvindo.

Numa explosão saltei no pescoço de Leah.

Ouvi Sam dar um comando alfa ordenando Jacob a voltar para a clareira, já que ele estava vindo correndo em nossa direção.

Derrubei Leah de costas mordendo seu pescoço arrancando um gruído alto. Rolamos para dentro da floresta derrubando algumas árvores mais jovens no caminho. Fiquei por cima, rosnando a centímetros de seu focinho, até ter certeza que ela se rendia. Ela desistiu. Recuei sem dar as costas a ela. Não confiava nem um pouco em Leah.

Sam estava o tempo inteiro da briga pronto para interferir caso precisasse

Leah eu não quero mais esse tipo de provocação! Estou de olho nas duas! – ordenou Sam.

Ok Sam

Leah se levantou com dificuldades mancando.

Boa, ! - Embry ainda na grande clareira

Me lembre de nunca mais te provocar – disse Paul me empurrando de leve.

, você está bem?- o pensamento de Jacob ecoou preocupado. Ele ainda estava na clareira com os Cullens.

Sim, Jake, nenhum arranhão – pensei presunçosamente.

Jacob me carregou nos braços depois que me transformei de volta. E de ele me ajudar a me vestir. Meus olhos não ficavam mais abertos. Só percebi que já estava em casa quando ele me colocou na minha cama. Jacob me soltou devagar, mas eu não soltei meus braços do redor de seu pescoço. Ele riu.

- Você tem que dormir, .

- Não! – resmunguei sem abrir os olhos

- Quer que eu durma aqui?

Puxei ele pra mim como resposta. Jacob riu.

- Fica aqui a noite toda?

- Sempre que você quiser.

Ele deitou ao meu lado, passando o nariz na linha do meu queixo, aspirando meu cheiro. Adormeci em seus braços.

Lá fora caia uma fina chuva em La Push.













Reações:

0 comentários:

Postar um comentário