sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Marcados pelo Casamento - Capítulo 15


CAPÍTULO 15



BELLA P.O.V



Eu tinha acabado de chegar da escola, e Tabatta ainda estava lá.
Tabatta: é sempre assim, Bella. - ela me dizia enquanto almoçava - ninguém nunca vem atrás de mim.
Eu estava parada atrás dela, penteando seus cabelos cumpridos. Edward estava ao meu lado, com a mão no bolso. Ele deu só uma passadinha pra nos ver...
Bella: Ai que barbaridade... - murmurei entre dentes. O olhar de Edward foi perseguidor - não se preocupe querida... Você gostaria de vir morar conosco?
Ela se virou rápido, e me olhou com uma expressão totalmente desacreditada.
Tabatta: se ta falando sério? - disse com a boca cheia... Edward e eu acenamos - sim, eu gostaria. - gaguejou.
E foi assim que fechamos. À tarde, Edward tinha uma reunião, e fiquei de levar Tabatta pra escola. Quem sabe lá, a vagabunda tenha pelo menos passado... Mais na verdade, eu não iria até a escola.
Bella: Querida... – falei baixinho, quando ela viu o detetive Travers, a doutora Joan que agora era minha advogada, e o representante do conselho tutelar, Can. Doutra Joan era loira e baixa, sorridente, e simpática. Já Can era alto, tinha uma bonita pele negra, e uma postura de lutador de Box. Totalmente intimidador... Assim que era bom. – você não vai poder contar nada disso pro papai, entendeu? É nosso segredo...
Se Edward soubesse que eu iria entrar num bairro tão perigoso, era capaz de eu não ver o dia nascer novamente. Ele iria me encarcerar...
Tabatta: prometo Bella. – falou enquanto eu terminava de arrumar o vestido que eu tinha acabado de comprar.
Eu sabia que não seria fácil. Seria uma batalha terrível contra a mãe dessa menina. Mais eu tinha consciência que ela não o faria por amor, e sim por dinheiro.
Quando lá chegamos, ela atendeu a porta olhando para mim diretamente.
Kelly: Ah, então você está ai? – ela puxou Tabatta do meu lado brutalmente. – o que você pensa que é pra desaparecer por uma noite, garota? Eu não posso perder você, entendeu?
O aperto dela no braço de Tabatta era forte.
Bella: Solta ela!
O olhar dela veio em direção a mim, e me mediu de cima a baixo agora, percebendo que comigo estavam três representantes da lei.
Kelly: e quem é você? – ela encostou-se ao batente da porta, com Tabatta logo atrás de si.
Bella: Isabella Cullen. – o olhar de deboche dela se transformou.
Kelly: Cullen? – ela riu entre dentes – Edward te mandou aqui, não foi? – agora ela olhou pra Tabatta – ENTÃO VOCÊ ESTAVA COM ELE, NÃO É? – Tabatta recuou uns passos. – vamos conversar mais tarde, mocinha.
Bella: não, Edward nem sabe que estou aqui... Mais de qualquer forma... – empurrei o braço dela, e entrei na casa olhando em volta. Não era uma casa acolhedora, era um lugar medonho. Não por ser humilde, e sim por ser... Estranho. – estou aqui pra levar Tabatta comigo.
Kelly: Ah, e quem você pensa que é pra levar a minha filha de mim? – agora ela gritava, e me olhava enraivecida. Vi Can dar um passo em nossa direção, mais ela continuou na mesma postura.
Bella: sou a esposa de Edward. Ele é o pai, e pelo que eu sei você nem dá a mínima pra garota você apenas... É UMA VAGABUNDA. – escutei a doutora Joan pigarrear.
Kelly: esposa do Edward? – ela cruzou os braços rindo ironicamente – então agora ele virou pedófilo, é? Quantos anos você tem? Quatorze? Eu sempre soube que ele não prestava...
Ela nem pareceu se ofender com o que eu disse.
Bella: ele presta mais do que você. E agora, nós podemos cuidar de Tabatta. Por isso a quero pra nós... – ela riu novamente.
Kelly: você não vai tirar ela daqui. Entendeu? – Tabatta estava sentada no sofá tremendo dos pés a cabeça.
Bella: é ai que você se engana. – a doutora Joan entregou um envelope a ela. – essa é a doutora Joan, minha advogada. E esse... – ela olhou pra Can – é o representante do conselho tutelar, Can. Acho que tudo o que o meu detetive – apontei pra Travers – investigou sobre você é verdade. E com esse show que você deu agora está mais do que provado.
Ela leu o documento onde dizia que Tabatta deveria ficar conosco, e um show de verdade começou. Depois de semanas de muito debate, delegacia, protestos e cia, eu finalmente consegui levar Tabatta para nós.
Kelly: vocês vão se arrepender por isso... Principalmente você, pirralha imunda! – ela gritou para a própria filha – eu vou me vingar... Não vou deixar você em paz NUNCA mais!
Confesso que ela não me amedrontou, porém Tabatta tremeu no lugar.
Tudo o que me importava é que eu tinha ganhado... EU E EDWARD agora seriamos uma família completa com Tabatta ao nosso lado...
Nada podia dar errado... Ou podia?
Nove meses depois
Eu ainda não conseguir engravidar.
E isso me perturbava.
Tabatta: Ah Bella... – estávamos nós duas sentadas na cama dela, que agora tinha meu quarto como o seu, vendo umas fotos – essa aqui é de quando eu tinha três anos...
Foram as únicas coisas que conseguimos tirar da casa de Kelly. Está, que eu não via já fazia muito tempo. Fotos e Tabatta. A minha nova filha...
Eu a amava completamente, como se fosse minha de fato. Mais eu sabia que faltava alguma coisa em nossas vidas... Faltava à emoção da gravidez, os preparativos pro parto, e finalmente, a chegada de um novo bebê.
Mais parecia que eu e Edward éramos incapazes de fazer um filho. Tentávamos há meses, e nada acontecia. Nada.
Edward chegou, e assim que passou pela porta, Tabatta o envolveu num abraço forte. Ele foi até mim com ela no colo, e me beijou.
Eu vi nos olhos dele que soube que algo estava errado.



EDWARD P.O.V



Edward: hora de dormir, querida... – coloquei Tabatta na cama, e vi Bella entrar para o quarto com uma aura negativa explodindo.
Depois que ela adormeceu, fui encontrar Bella no quarto. Ela estava lá, sobre a cama, com braços e pernas cruzadas, olhando para a chuva que caia lá fora.
Edward: tudo bem? – perguntei, abraçando-a de lado. – quer conversar?
Ela me olhou tristemente, e deitou a cabeça em meu ombro.
Bella: Eu acho que tenho algum problema... – murmurou.
Edward: Ah Bella, pelo amor de Deus... – eu ri – que tipo de problema, além de me tirar do sério?
Bella: acho que não posso ter filhos... – ela suspirou longamente.
Edward: como assim? – ela se virou para mim, e passei o dedo sobre suas lágrimas. – é claro que você pode...
Bella: então porque eu não engravido Edward? Porque, se nós nunca usamos preservativo? Nada acontece, NADA!
Edward: Bella, isso deve ser de momento... Talvez seja um aviso para esperarmos...
Bella: já faz nove meses! – ela se irritou. – já sai da escola, já sei como cuidar de uma criança, e já fiz dezoito! O que mais temos que esperar?
Edward: Talvez o problema seja eu... – seus olhos se estreitaram.
Bella: você já tem uma filha. Não tem como ser estéril. – ela tinha razão.
Edward: que tal então... Praticarmos mais?
Sugeri, pensando que ela não iria aceitar. Mais ela sorriu, e me abraçou.
Bella: tenho uma surpresa pra você... – murmurou mordendo os lábios, e passando as mãos pelo meu cabelo, enquanto suas pernas envolviam meu colo.
Edward: tem? – ela assentiu.
Bella: e acho que você vai gostar... Mais pra você ver, vai ter que tirar a minha roupa... – não era problema.
Mais confesso que tudo aquilo me assustou um pouco. Onde estava a Bella quietinha, agora?

Reações:

1 comentários:

UOUUUUUUUUUUUUUUUUU......... CURIOSA PRO PRÓXIMO CAP!!!! POSTA MAAAAAAAAAAAAAAISSSSSSSSSSSS PLEASEEEEEE!!!!!!:D

Postar um comentário