sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Marcados pelo Casamento - capítulo 11


CAPÍTULO 11


EDWARD POV


Todo mundo, absolutamente, a festa toda perguntando sobre a minha mulher.
Era o mesmo salão de festa de sempre, uma mesa longa onde falávamos sobre negócios, uma sala na enorme cobertura para as esposas falarem mal de nós... Uma enorme piscina que nesta ocasião servia apenas para decoração... Era tudo como sempre, exceto pela cadeira ao meu lado. Vazia.
Louis: então me diga, Edward... Cadê a sua senhora? – Louis estava sentado entre Liss, a secretária tarada, e uma secretária do departamento pessoal.
Juliana: Verdade Edward, estava tão curiosa para conhecer a patrozinha... – Juliana foi minha namorada há uns anos. Era uma empresária muito influente na empresa.
Bella: pois então a sua curiosidade acabou, querida. – a voz vinha de trás de mim, que estava sentado na ponta da mesa. Olhei para trás, assim como todos que estavam ao meu redor.
Edward: Bella? – fiquei de pé num salto, e fui até ela.
Bella: Oi amor... – ela sorriu delicadamente, e me deu um selinho demorado. Eu não sabia se ela estava falando mesmo sério... – precisamos conversar... – murmurou.

Edward: Ah... – olhei para o pessoal na mesa. Juliana tinha os olhos fixos em Bella, enquanto Liss a olhava meio que torno. Louis tinha quase a boca no chão... Eu podia jurar que ele estava babando. – Com licença senhores. – sai dali puxando Bella pela mão, até entrarmos na sacada.
Jane: Boa noite, Edward. – uma designer passou por mim sorrindo.
Edward: o que houve? – murmurei entre dentes. – porque foi que você veio? – colei Bella na grade que nos permitia olhar para baixo sobre o topo da cobertura sobre os olhos de todos.
Bella: Ah, você quer que eu vá embora? – ela me empurrou. – então eu vou...
Edward: Hei! – a empurrei para trás levemente. – não, não é isso... Fiquei preocupado. Pensei que estava brava... – a olhei ternamente, e ela abaixou o olhar depois de piscar várias vezes.
Bella: eu... Fui uma idiota! Desculpa ta? – murmurou – eu sou uma criança, você tem razão... Eu fui boba, mais é que eu fiquei morta de ciúmes e... Desculpa amor.
Edward: você não tem que se desculpar, está tudo bem. Você está comigo, e isso é o que importa. – acariciei o rosto dela, e beijei-lhe rapidamente.
Bella: Edward, eu tenho vergonha ta todo mundo olhando! – ela quase enfiou a cara no meu ombro.
Edward: vamos ficar só um pouco, eu te prometo! – olhei para ela mais a fundo. Ela usava um vestido marrom maravilhoso, tomara que caia, um tanto decotado. Sapatos no mesmo tom... Quando ela me olhou sorrindo, notei que o tom da roupa contrastava exatamente com o cabelo e os olhos. – você está linda... – enquanto caminhávamos, ela sorriu ficando vermelha.
Bella: você está mais. – puxei a cadeira e ela se sentou.
Edward: pessoal, essa é minha esposa, Bella. – ela murmurou um “Boa noite”.
Louis: Bella mesmo hein, cara... – ele gargalhou. – Benza Deus! Você é filha do Charlie? – ela assentiu timidamente. – nem parece com ele... Bem vinda patroa!
Me sentei.
Edward: este é o Louis. – murmurei para ela – ele é um de meus melhores amigos... Ele é bem palhaço. Não liga... E não se esqueça que essa empresa é sua.
Bella: deu pra notar que ele é bem... Feliz... – passou um garçom com uma bandeja de champanhe, apanhei dois. – posso mesmo? – os olhos dela miraram a taça de cristal com bolhinhas e espumante.
Edward: você acha que pode? Porque eu te dou permissão... – sorri, e ela apanhou a taça de minhas mãos.
Louis: vou fazer um brinde! – ele ficou de pé. Todos olharam – Ao meu patrão e amigo, Edward... A minha patroa, Bella... E que bela... – todos riram – e a todos nós! TIM TIM! – gargalhou.
Olhei para Bella, e ela olhou para mim. Bebemos.


BELLA POV


Edward tinha me deixado há uns minutos, para conversar com um de seus acionistas internacionais sei lá de que. Ele me disse que seriam só uns minutos, e eu o entendi. Fui até o balcão, e pedi uma coca.
Gerald: Olá. – era uma voz estranha. – boa noite senhora Cullen. - Eu não sabia quem era muito menos de quem se tratava. Só sei que a voz me causou arrepios de medo. – sou Gerald, trabalho com o seu marido. Já deve ter ouvido falar de mim...
Gerald? MEU DEUS! Eu sabia quem ele era... Ele era filho de um dos acionistas que podia tomar a empresa caso eu e Edward não nos casássemos.
Bella: boa noite. – respondi nervosa.
Gerald: e então? Edward te abandonou, foi? – ele se sentou ao meu lado num banco em frente ao balcão.
Bella: E-ele só está conversando com alguns acionistas internacionais... – gaguejei. Ele me olhava meio estranho. Como se me devorasse com os olhos.
Gerald: Ah. Claro... Sei como é. Ou pelo menos saberia, já que essa empresa deveria ser minha se vocês não tivessem arranjado esse casamento... – cuspiu as palavras em minha cara praticamente.
Bella: Quem te disse que foi arranjado? – me coloquei numa postura mais defensiva.
Gerald: todo mundo sabe... Aposto como ele não é seu dono, minha querida. – vi Edward olhar em nossa direção e no mesmo instante sair de onde estava e vir em direção a mim. – porque não dançamos?
Bella: não quero, estou esperando o meu marido. – o tal do Gerald se aproximou de mim, e eu senti um tremendo cheiro de álcool.
Gerald: vamos gatinha, tenho certeza que o seu marido não vai se importar se a esposinha arranjada dele dançar uma musica comigo... Edward não deve nem se importa com você. – ele ia fechar a mão em volta do meu braço, quando senti Edward me puxar pela cintura delicadamente para trás.
Senti o corpo rígido dele em minhas costas, e minhas costas coladas a seu peito.
Edward: Gerald acho que você anda exagerando na bebida. Não é melhor você ir embora? – a voz dele era controlada, porem, cheia de raiva. O homem não disse nada, apenas deu as costas e caminhou em direção a saída. – tudo bem, amor? – ele falou no meu ouvido.
Bella: tudo... Só estou cansada. – murmurei.
Edward: vamos para casa... – entrelaçou sua mão na minha, e depois de nos despedirmos de meio mundo, finalmente, fomos para casa. – o que foi que ele te disse?
Bella: pra que você quer saber? – Edward tinha acabado de abrir a porta de casa, e entramos molhados pela chuva forte que caia lá fora.
Edward: Gerald é um imbecil. – as mãos dele entrelaçaram minha cintura. – e se ele te falou algo que te ofendeu, eu juro que acabo com ele com minhas próprias mãos, Bella.
Espalmei minhas mãos no ombro dele, e deitei minha cabeça em seu peito. Eu podia ouvir o som do coração forte, agudo, macio, sustentável...
Bella: ele me disse que sabia que nosso casamento era arranjado... E que... – travei por uns instantes.
Edward: que...?
Bella: que você não era meu dono... Que você não se importava com a sua esposa arranjada... Que a empresa era pra ser dele. Coisas ridículas e sem nexo. – murmurei, e senti as mãos de Edward desceram até a curva do meu quadril. – não dê importância a isso... Somos maiores que isso... Nós sabemos o que significamos um pro outro, e você significa TUDO pra mim. – ele apoiou levemente a cabeça sobre a minha.
Edward: Bella eu... – murmurou, com a voz rouca e baixa.
Bella: Edward... – olhei para seus olhos verdes – eu posso te amar? – nos encaramos por uns segundos, até que uma lágrima saltou de meus olhos, e ele sorriu levemente, apertando seu toque, agora em meu bumbum.
Edward: acho que seria bom, princesa. Já que é sempre bom amar e ser correspondido. – meu coração parou, e depois, começou a pular novamente quando Edward aproximou seus lábios da minha boca e murmurou. – eu te amo. E você pode me amar quanto tempo quiser, já que eu vou te amar sempre...
Bella: E-eu... Te amo, Edward. Você é único pra mim... Único. – nossas bocas se colaram, e segundos depois, ele me olhou novamente.
Edward: vá tomar um banho, princesa. – os olhos dele se colaram em meu vestido molhado. Assenti. – no meu quarto, está bem? – desta vez paralisei.
Estaria ele dizendo mesmo que eu pensava que estava?
A simples idéia fez meu corpo pular em antecipação.
Corri escada acima, e apanhei uma camisola branca, quase transparente em meu quarto. Juntamente com a roupa de baixo, num tom de branco mais forte, para contrastar no visual.
Entrei no chuveiro, e joguei meu vestido e toda minha roupa intima no sexto de roupas sujas. Tomei um banho rápido, lavei o cabelo voando, e sai do banheiro. Enrolei apenas uma toalha, sabendo que talvez, hoje eu tivesse a noite mais memorável de minha vida.
Abri a porta, e no mesmo instante, a porta do quarto dele foi aberta. Chovia forte, e a varanda estava fechada apenas no vidro. Os sons da chuva eram altos...
Bella: Edward? – questionei. Ele bateu a porta atrás de si, e me encarou dos pés a cabeça... Meu corpo doía e formigava de desejo pela presença dele.
Edward: vem aqui Bella... Chega de fingir que nada acontece. Vem que vou te mostrar quem é seu verdadeiro dono... – falou alto, seguro e sensual, intercalando olhares entre meu corpo e meus olhos, enquanto com as mãos afrouxava a gravata e abria os primeiros botões da camisa.
Não pensei em nada, deixei a toalha escorregar por meu corpo suavemente, e logo após, fui em direção a Edward.
Era tudo que eu podia fazer.
Me render... Me entregar.


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário