quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Marcados pelo Casamento - capítulo 5



BELLA  POV

Sentamos no sofá branco da sala de TV no segundo andar, e ligamos o aparelho que mais parecia à tela de um cinema. O que Edward pretendia com todo esse cavalheirismo?
 Impressionar-me? Estava conseguindo.
 Edward: o que você gosta de assistir? – ele estava com o controle em mãos.
 Bella: qualquer coisa... Só odeio novelas. – gargalhamos.
 Edward: graças a Deus. – ele começou a mover os canais, até acharmos em filme interessante.
 Neste, a mocinha era trancafiada num cativeiro e acabou se apaixonando pelo próprio seqüestrador. Era interessante... Até que chegou a uma parte... Quente.
 Edward se revirou no sofá, a um espaço consideravelmente longe de mim. E eu tremi ao ver que não seriam apenas imagens bobas. Seria uma coisa bem explicita. Observei o canal, e notei que aquele canal não era o mais certo para assistir filmes, já que exibia sem problemas conteúdo adulto. Era não recomendado a menores. Bom, o meu tutor estava ao meu lado.
 A cena começou, e me contrai. Tremi...
 O homem estava sem camisa, e ela de sutiã. De repente, se agarraram, e ele espalmou sua mãe enorme sobre o bumbum dela. Instantaneamente, olhei para as mãos de Edward. Ele não pareceu notar, apenas observava a tela. Eram tão grandes quando as do ator. Eu quase desmaiei.
 Voltei a olhar, e agora, a mulher estava sentada numa mesa de vidro transparente, enquanto ele tirava o sutiã dela. Edward pigarreou, e eu abaixei o olhar. Não demorei muito, eu voltei a olhar, e vi que agora, os seios dela estavam expostos.
 Ele acariciou por um instante, olhando como se fosse à coisa mais bela da terra. E logo, desceu os lábios pela pele dela, e começou a beijar os seios da garota.
 Eu quase pulei do sofá enquanto cruzei os braços sobre o meu peito. Olhei para Edward, ele olhava para a tela meio confuso. Ele continuou com a caricia, e eu olhando da tela pra Edward. As mãos do homem desceram pela barriga enquanto com a boca, ele continuava a sugá-la. Vi quando ele tocou a calcinha dela, e enfiou a mão por dentro.
 Edward abaixou o olhar, depois olhou novamente meio constrangido. Uma sessão de gemidos se iniciou, e eu tremendo, era... Diferente. Eu nunca tinha visto NADA parecido, e me surpreendi.

 Ele deixou-a nua, e de repente, sua boca estava no sexo da mulher. Ela tinha os dedos nos cabelos do homem, e gemia alto demais coisas incompreensíveis, com uma expressão de prazer gigantesca. Deixei algo cair ao meu lado, e um barulho foi ouvido.
 Foi à desculpa perfeita pra Edward me olhar e acender a luz da sala.
 Edward: tudo bem? – questionou.
 Bella: Aham... – respondi com a voz falhando – foi só o controle do DVD. – ele assentiu, e voltou a se sentar. Eu não conseguia tirar meus olhos das mãos dele... Olhamos de novo pra TV, e neste momento, a cena de alterara. Agora a garota gritava, não... Ela berrava, enquanto o homem penetrava-se nela descontroladamente. Engasguei com a fala, e fechei a boca. Ele puxava os cabelos da garota, enquanto ia cada vez mais rápido. – Ai... – coloquei minhas mãos sobre meus olhos.
 Edward: por hoje chega, não é? – ele ficou de pé, meio desconcertado.
 Bella: é. – destapei meus olhos, e fiquei de pé. Encaramos-nos, e ele sorriu de canto.
 Edward: te pego amanhã as seis e quinze aqui em casa para irmos fazer suas compras. – assenti respirando rápido – boa noite.
 Bella: B-boa No-noite. – murmurei e depois seguimos para nossos quartos.
 Foi à noite mais perturbadora de minha vida. Assim que pus meus pés no quarto, se encostei contra a porta e não pude evitar de em minha mente, imaginar Edward ao invés daquele ator, e me imaginar no lugar daquela garota;
 Exclamei alto, tentando afastar as memórias do filme, mais era impossível. Quais deveriam ser as sensações? Como você se sente quando está assim, daquela forma com um homem?
 Com Edward...
 Caminhei até o closet, e vesti minha camisola rosa que eu mais gostava. Era verão, estava quente, era a mais minúscula.
 Sem cobertor nem nada, me deitei, e mirei o teto atordoada. Porque eu sonhava com ele? Com o sabor de seu beijo, a sensação de seu abraço... Com o calor de suas mãos. Passando noites e noites acordada fervendo da febre que me consumia. A febre do desejo...
 E eu sonhei novamente.
 Lábios percorriam meu corpo, mãos tocavam-me lentamente. Torturando, ardendo. O desejo crescia e era inevitável não sentir.
Não sentir o hálito fervente tocando meus seios num ritmo ofegante. Enquanto suas mãos os esfregavam lentamente, esperando o momento certo para satisfazer por completo a façanha.
Palavras eram murmuradas, e eu não era capaz de ouvir. Era um mistura repentina de desejo e medo... Medo do que estava por vir. E desejo por Edward.
Se ele fizesse o que seus lábios e mãos me prometiam, eu seria dele pra sempre. Eu jamais poderia me entregar a outro homem. Ele me possuiria para sempre... Sempre a merece dele; do desejo dele.
Eram imagens interrompidas, embaçadas. Acordei um segundo depois e tive talvez, a maior surpresa de minha vida.
Ele estava ali, parado na porta de meu quarto me encarando encostado no batente.
Edward: você está bem? – a voz dele era confusa, e eu não pude me focar em nada que não fossem seus olhos que vagavam por mim sem receio algum.
Senti meu peito subir e descer com minha respiração, e certa parte de meu corpo estranhamente molhada. Ardia entre minhas pernas, que eu mantinha bem fechadas. Joelho com joelho.
Bella: Aham... – murmurei – porque está... Aqui? – com todo meu autocontrole, observei que ele vinha em minha direção, caminhando de vagar. Ele estava sem camisa, agora, apenas com o moletom preto.
Edward: você estava gemendo... – Edward começou a rodear minha cama, observando todos os cantos de meu quarto – e chamando meu nome. Eu acho. Você teve um pesadelo comigo? – agora ele parara. Encarava-me sério, com a mão no bolso do moletom, com seus olhos verdes presos em mim.
Bella: N-não... Eu só... Eu... – abaixei o olhar. O que eu iria dizer?
Que sonhei que fazíamos amor? Que eu estava morrendo de tesão encima daquela cama? Sentindo arrepios, tremores... Sentindo-me molhada num lugar onde eu nunca pensei em tocar?
 Edward: você não estava sonhando com... – eu estava perdida, só podia ser. Ele iria perceber meu estado? – com o seu ex namorado? - Eu suspirei, e neguei com a cabeça. Ele sabia que eu estava diferente, só havia errado com que eu sonhara, mais acertara no tipo de sonho. – tem certeza? Eu posso te deixar sozinha pra você continuar... – ele ergueu uma sobrancelha.
 Bella: não eu juro... Hei! – ergui meu olhar pra ele, ainda tremendo – eu não faço... Eu nunca fiz esse tipo de coisa... Eu... – ele estava querendo dizer o que? Que eu estava fazendo o que ali? Ele se referia mesmo ao que eu estava pensando?

EDWARD POV

Porque ela gaguejava? Será que além de vestida com aquele pedaço de pano incrivelmente sedutor, ela ainda tinha que se comportar como uma inocente?
 Ela estava sonhando com algo mais que shopping, amigas, filme de terror e bobagens. Talvez aquele filme não tenha feito bem a ela... Talvez não faça bem a mim, já que ela estava me deixando louco.
 Eu podia ver as formas do corpo dela totalmente exibidos através daquilo que ela chamava de camisola. Apertado, revelador demais... Curto demais. As pernas dela estavam totalmente a minha vista, enquanto ela as fechava fortes e se amparava na cama com os cotovelos.
 Perguntei sobre o sonho, ela apenas ficou vermelha. Se ela não estava sonhando com aquele tal do ex namorado, porque ela estava assim? Por quem? A raiva se apoderou de mim, mais não ultrapassando o desejo.
 Edward: se você não faz... – cheguei a pensar que ela pudesse estar “praticando” algo, mais ela me negou absurdamente brava. Eu sabia que não, era apenas brincadeira mais não demonstrei isso a ela.  – porque está assim?
 Bella: Não te interessa... – Bella ficou de pé, com o corpo vermelho. Completamente... Eu já tinha estado com várias mulheres para reconhecer quando uma esta... Desejosa. Ela estava mais do que isso naquele momento. Ela fervia...
 E eu autocontrole ia com ela.
 Edward: não pense que não interessa... – fui até ela, que fico do outro lado da cama, e aos poucos, a encurralei contra a parede. – me interessa mais do que pode imaginar... Escute-me bem... – ela colou as costas na parede rosa, e eu olhei pra baixo para encontrar seus olhos assustados – não faça comigo nada que não gostaria que eu fizesse com você, entendeu? Eu te respeito, e tento manter a sua... Tento te preservar. – Eu não iria dizer virgindade. Ela não deveria ser virgem. Eu seria tolo de pensar que sim... – e você... Faça o favor de tentar preservar o pouco de controle que me resta ou se não vou fazer uma bobagem e tenho certeza que você não irá escapar... E nem se opor. Entendeu?
 Ela suspirou, e assentiu.
 Edward: ótimo. – murmurei. – boa noite. – sai e fechei a porta.
Segundos depois, pude ouvir o barulho do chuveiro elétrico sendo ligado no quarto dela. Era como eu tinha dito, ela ficara extremamente perturbada.

BELLA POV

Tomei um banho extremamente perturbado. Na verdade, eu não sabia bem onde deveria enfiar a cara.
Edward tinha mesmo acreditado que eu... Senti vontade de matá-lo duas vezes! Uma, por me fazer ficar constrangida e sequer questionar se eu “praticava” algo... Comprometedor. Dois, por ele me fazer ter aquele sonho, aquelas sensações...

Sorte que quando acordei, ele já tinha saído pra trabalhar. Assim que cheguei à cozinha, vi um bilhete na geladeira intocado. Olhei pra Marie...
Marie: o patrão deixou pra senhora. – ela lavava louça, e eu caminhei até a geladeira pra pegar o bilhete.
Abri-o, e em uma caligráfica linda, vi apenas números escritos da forma mais elegante.

[...] -7358

Com o bilhete em mãos, fui até a sala e apanhei o telefone. Disquei o numero, e antes mesmo de dar o segundo toque, ouvi a voz dele ao fundo.
Edward: bom dia. – seu tom era formal, elegante... Sensual.
Bella: bom dia. – respondi tremendo levemente. – o que foi?
Edward: nossa, que recepção calorosa. – o humor também estava afiado – só queria te lembrar que hoje as seis...
Bella: eu tenho boa memória. – falei rapidamente. Ele soltou um muxoxo... – Desculpe.
Edward: hoje as seis vamos sair, e eu queria te comunicar que não poderei passar ai. Tenho uma reunião as cinco, acho melhor você passar aqui. – abri muito meus olhos.
Bella: Eu... Ir ai? – tremi ao pensar em mim na empresa de nossos pais, que agora, era nossa. – eu...
Edward: Algum problema em vir à empresa SUA e do SEU MARIDO? – seu tom agora, era possessivo.
Bella: Hã... Não. – na verdade, não havia. – as seis peço pro Pierre me deixar ai... – o nome do motorista.
Edward: Excelente. – pude imaginá-lo sorrindo – tenho um bom dia.
Bella: igualmente. – demorou uns segundos, e ouvir a linha cair.
Droga! Eu ir até CS? (nome da empresa). Será constrangedor... Eu nunca havia parecido em publico como... Esposa de Edward.
Tremi, e percebi que algo me aguardava. Eu precisava estar linda... Como aquelas mulheres que trabalhavam lá. Eu não poderia me vestir feito adolescente, como eu estava acostumada.
Corri para meu closet, e vasculhei. Algo que me lembre Edward... Algo que me lembre... Verde! A cor dos olhos dele... Magnífico!
Achei ali, um vestido longo e no mesmo tom daquelas brilhantes esmeraldas que ele tinha como olhos, e o apanhei satisfeita. Longo, lindo, e frente única. Ficaria perfeito com um salto e um penteado básico.
Passei o dia impaciente, até o relógio marcar as quatro e meia e eu ir correndo tomar banho.
Assim que o fiz, me troquei rápido, e percebi que eu estava certo. Eu parecia uma daquelas amigas de minha mãe. Elegantíssima... Digna de ser esposa de Edward. Ta, agora exagerei. O imaginei com aqueles belos ternos caminhando ao meu lado... Céus!
Eu não via a hora de ir... Apanhei minha bolsa e olhei no relógio. Cinco e quarenta. Corri pro estacionamento, e ordenei a Pierre. Logo estávamos na CS.
O que iria acontecer agora?

Reações:

3 comentários:

Lindo demais, estou doída pra ler mais. Parabéns!!!

[AAAAA] EU QUERO LER MAIS TBM *--*

Quero maisssssssssssssssss plissssssssssssssss

Postar um comentário