quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

“ROBERT PATTINSON: O MAIS COBIÇADO, CADA VEZ MAIS VEM SENDO LAPIDADO E MOSTRANDO SEU REAL POTENCIAL.”


Abaixo vocês podem conferir algumas críticas e entrevistas que Robert concedeu durante a divulgação de dois dos seus últimos filmes,Cosmopolis e Amanhecer – Parte 2, muito bem descrita por diversos sites falando sobre a sua imagem no cinema desde o primeiro papel até agora, atualmente. 


Eu realmente li alguns artigos que falavam sobre o futuro dos atores de “Crepúsculo” e confesso que o que falavam sobre o futuro da carreira de Rob me deixou muito feliz e ansiosa. É como se fosse uma nova era que se iniciasse para ele, e com certeza será incrível de ver acontecer.

Segue um trecho da entrevista de Rob para a “AP” via a “Seattle News”:
Pattinson sem dúvidas vem trilhando pelas melhores escolhas dentre os 3 protagonistas da Saga. Antes de ter sido escolhido para fazer o papel de Edward Cullen, o magrelo ator britânico fez uma participação em outra grandiosa franquia, como intérprete do personagem Cedric Diggory no ano de 2005, em “Harry Potter e o Cálice de Fogo”. Em 2009, ele interpretou Salvador Dali no filme “Little Ashes”, e, no ano passado, ele estreou ao lado da atriz Reese Witherspoon no romance que se passava no circo, “Água para elefantes”, em que alguns “review” do David Germain, afirmava que havia uma faísca entre os dois.

Mas Pattinson também trabalhou ao lado do polêmico diretor, David Cronnenberg, no papel principal do filme do tão acudido diretor canadense, que fala sobre um drama nas finanças, “Cosmópolis”. O filme se passa, quase que em sua totalidade, dentro de uma limusine. E novamente irá atuar com o David Cronenberg no filme “Maps to the Stars”, e irá iniciar com as filmagens do filme do diretor Werner Herzog, “Queen of the Desert”. 

Jones afirma que Rob vem fazendo as escolhas mais inteligentes em sua carreira, para aproveitar toda a fama que a saga lhe trouxera para que conseguisse colaborar para que pudesse trabalhar ao lado de diretores e atores sérios.

“Ele sabe que tem um chamariz muito grande que acaba por trazer muitas pessoas a verem seus filmes, principalmente as adolescentes, que acabam indo assistir ele, independentemente de qual filme ele possa estar.”, afirmou ela. “As pessoas sempre se põem á disposição para trabalhar com ele pela primeira vez, e então, após conhecerem de seu potencial, querem trabalhar novamente com ele.”

Constantinescu afirmou ainda: “Ele é o único a assistir os filmes além daqueles destruidores de bilheteria”, afirmou ele. “Nós apenas começamos a polir o Rob, ele tem grande potencial.”

TRECHO DA ENTREVISTA PARA A “Playlist”:

Robert Pattinson: 
ANTES DA SAGA: Robert Pattinson tinha pouco destaque antes de ser O “Rob-Patz”. Ele fora vetado para o filme “Vanity Fair” (2004), mas acabou sendo direcionado para um papel maior em uma franquia de sucesso, como o estudante Cedric Diggory em “Harry Potter e o Cálice de Fogo”. Fez também alguns papéis pequenos para a TV britânica e alguns filmes pequenos, como “How to be” e “Little Ashes”, todos esses, em sua maioria, apenas passaram a ter público tão somente após Robert Pattinson ter alcançado a fama e o sucesso após interpretar o vampiro Edward Cullen na franquia de vampiros.

AS CHANCES E NOVO RUMO APÓS CREPÚSCULO: Dotado de grande criatividade e espírito inovador, o sucesso fora da franquia ainda está para acontecer. Como resultado dessa franquia grandiosa da qual participara, ele acabou criando uma base de fãs grandiosa, em virtude de seu papel angelical como o vampiro Edward Cullen. Papel este que o ajudará a conquistar outros, como no filme “Lembranças” e “Água para Elefantes”, mas que alcançaram pouco sucesso em relação ao esperado. Ainda assim, as fãs fanáticas, as “Twihards”, parecem não fazerem questão dos outros filmes além da saga vampiresca, -- o filme “Bel Ami- O sedutor” faturou $120,000 mil dólares no início desse ano, e o filme “Cosmópolis” não fez muito mais além disso, alcançando a margem de $ 750 mil dólares. Mesmo assim, esses filmes somaram como créditos, como indicativos de seu esforço e primor por um bom trabalho e seu desejo constante de trabalhar com certos diretores, e, sobretudo, a sua vontade em moldar-se em novos papéis, mostrando ser algo que deve continuar a ser trilhado pelo ator.
Ele tem alguns novos papéis em vista, ele já está cotado para atuar no filme apocalítico “The Rover”, no “Animal Kingdom” do Diretor David Michod, “Man on the Wire”, o “Hold On to Me” do James Marsh (que ele vai atuar ao lado de Carey Mulligan), seu retorno ao lado de David Cronenberg com “Map to The Stars” e na aventura do diretor Werner Herzog, "Queen of the Desert” (ao lado de Naomi Watts e Jude Law). Com certeza esses papéis mostram-se serem diferente do que se espera para um papel de galã, e, mesmo que seu desempenho não conduza com o esperado, sabemos que ele estará sempre buscando melhorar sua performance. Mas será que seu público de fãs o continuará seguindo na sua carreira?! Talvez fosse preciso certa mudança de foco, fazendo algum filme no estilo mais de ação/ suspense, para que pudesse diversificar mais seu público, alcançando também o público masculino. Talvez algo como o filme “American Assassin”, que está vago o papel de protagonista, após a desistência de Chris Hemsworth.

TRECHO DA ENTREVISTA PARA A VH1:
Robert Pattinson:
Robert Pattinson parece meio imprudente ao fechar com novos filmes, ainda mais diante a essa nova gama de filmes que lhes são oferecidos após Crepúsculo, então os projetos passam a ser cada vez mais vastos. Em fase de pré - produção, ele está no longa “Mission: Blacklist”, no qual ele fará o papel de um militar interrogador que se engaja por procurar por Saddam Husssein; no filme “Hold On Me” ele interpretará um rapaz que se apaixonará por Carey Muligan, que estará planejando sequestrar o cara mais rico da cidade. E também há o filme “Queen of the Desert”, sobre uma arqueóloga no início da década de 20, Gertrude Bell (interpretada por Naomi Watts).
Tudo indica, ademais, que estará novamente trabalhando com o diretor de “Cosmópolis”, David Cronnenberg, para o longa “Maps to the Stars”. Poxa, ficamos sem fôlego depois de resumir tudo isso.
Vamos adorar ver o Rob cada vez mais sendo reconhecido por seu talento, por mais e mais vezes. Temos certeza de que todos os seus papéis futuros o levarão a explorar situações e filmes antes inexplorados, diante de todas as suas habilidades no set. Sabemos que não precisamos perguntar para todos vocês se estão mesmo tão ansiosos quanto eu, porque nós estamos escrevendo esses tipos de artigos por vários anos. 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário